Tudo o que você precisa saber antes de entrar em um fundo de investimentos

Taxas, prazos e regulamento são pontos que merecem muita atenção para fazer a melhor opção de investimento
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
Avatar_Francine-Mendes
Avatar_Francine-Mendes
Geanna8/Envatoelements
Tudo o que você precisa saber antes de entrar em um fundo de investimentos

Uma das primeiras tarefas de toda mulher que deseja lucrar nas finanças é se interessar pelo seu dinheiro. Isso quer dizer que nós investimos o nosso capital apenas em produtos financeiros que conhecemos e entendemos seu funcionamento, riscos e regras. É verdade que no começo pode parecer bem confuso, mas como tudo na vida, com tempo e dedicação a sopa de letrinhas do mercado financeiro se torna mais simples. 

OLHA SÓ: 4 passos para começar a investir em 2021

Por isso, hoje eu quero falar sobre os fundos de investimentos. Como funcionam, categorias e informações que você precisa entender para tomar decisões financeiras que façam o seu patrimônio crescer!

Fundos na ponta do lápis

Os fundos de investimento são formados por recursos financeiros (dinheiro) de diferentes pessoas, que são aplicados em conjunto em busca de um resultado comum, neste caso, a rentabilidade (lucro). Para entender o que é um fundo de investimento imagine um condomínio de apartamentos residenciais: cada apartamento possui uma dona que, no caso dos fundos, é representada por uma cotista. 

As cotistas, embora tenham investido o próprio dinheiro, estão sujeitas às regras do fundo, assim como a proprietária de um imóvel está sujeita às regras de um condomínio. 

Os cuidados e a administração de um condomínio são realizados de forma profissional e, por isso, os moradores pagam uma taxa mensal pelos serviços prestados e custos comuns. Nos fundos também existe a gestão profissional dos ativos, quem faz isso é o gestor ou gestora. Por esse serviço, as cotistas também pagam uma taxa, conhecida como taxa de administração. 

Quem investe em fundos, portanto, torna-se dona de uma fatia dos ativos que estão na carteira do fundo. O gestor ou gestora irá escolher em quais produtos investir e desinvestir, de acordo com a classificação e regras do fundo. 

E AINDA: 5 características de mulheres líderes

Se a performance do fundo for positiva, o valor da cota sobe, logo o capital investido aumenta. Já se for negativa, o valor da cota cai, logo o capital investido diminui, perde valor. Ambas as situações são bem comuns no mercado: fundos que investem em bons ativos e liderados por gestores sérios e qualificados podem ter desempenho bom em um ano, e ruim no outro. Não há garantias de lucro ou prejuízo, o risco é todo do investidor. Mas os riscos vêm acompanhados de possibilidades também!

Mas o que o fundo faz com o nosso dinheiro? 

Os fundos podem investir em uma variedade de produtos, tudo vai depender da categoria e classe a que pertencem. Os fundos podem ser de renda fixa, de ações, multimercados e cambiais. O  fundo EQL, por exemplo, é um fundo multimercado, isso significa que ele pode investir em  produtos financeiros que ofereçam diferentes níveis de exposição a riscos, de um título público a ações. A composição dos multimercados pode ser muito interessante para quem quer diversificar a carteira dos investimentos, já que em uma única cota você pode investir em produtos financeiros diversos. A escolha desses produtos é sempre feita pelo gestor ou gestora do fundo. 

O que saber antes de investir em um fundo?

Investir em um fundo com gestão profissional não significa aplicar o dinheiro e esquecer. Os cuidados antes de entrar no investimento e o acompanhamento das decisões são fundamentais para as mulheres que lucram: nós não terceirizamos as decisões relacionadas ao nosso dinheiro.

Dito isto, vamos entender quais são as informações importantes para uma cotista: 

Taxas cobradas pelo fundo: podem ser cobradas taxas de administração, de performance e até de saída, além de IOF e tributos. No caso do fundo EQL é cobrada apenas a taxa de administração de 1% ao ano sobre o valor do patrimônio líquido, que é destinada ao pagamento dos custos relacionados à gestão do fundo.

Prazo para cotização e resgate: para sacar o seu dinheiro do fundo será preciso esperar os prazos estipulados no regulamento. No caso do fundo EQL, por exemplo, são 30 (D+30) dias corridos para cotização e 2 dias úteis (D+2) para liquidação. 

LEIA AQUI: Por que uma cédula de R$ 200?

O que isso quer dizer: se você pedir o resgate do investimento hoje, saberá quanto irá receber por cota apenas depois de 30 dias corridos. O valor da cota para saque não é definido no dia do pedido de saída, mas sim no último dia da cotização. Depois, você precisará de mais dois dias úteis para ver o dinheiro retornando para a sua conta na corretora. 

É por isso que os fundos – com exceção dos fundos DI – não devem ser o lugar para a sua reserva de emergência. Por que as emergências não podem esperar 30 dias de cotização ou qualquer outro prazo que o fundo tenha. Emergências precisam de rapidez, agilidade e os recursos da reserva devem estar investidos em produtos que tenham altíssima liquidez, ou seja, que possam ser transformados em dinheiro na sua conta em até um dia útil. 

Lâmina e regulamento do fundo: você já sabe o que precisa entender antes de investir em um fundo, mas certamente deve ter dúvidas sobre onde encontrar essas informações. Na apresentação do fundo na plataforma de investimentos você encontra os principais detalhes relevantes: quem é o administrador, valor mínimo para aplicação, prazos para resgate e etc. 

Em geral, nesta mesma área estão links para acesso a outros dois documentos: a lâmina e o regulamento. Enquanto a lâmina irá resumir de forma simples as informações mais relevantes sobre o fundo, como a rentabilidade acumulada, decisões recentes tomadas pelos gestores e etc., o regulamento irá trazer todos os deveres e direitos reservados às cotistas. Logo, ambos são documentos importantes e que devem ser lidos. 

O fundo também pode disponibilizar relatórios periódicos e realizar reuniões dos cotistas. Aqui, novamente, vale lembrar que nós devemos participar de tudo o que for possível. Nosso dinheiro, nossa responsabilidade. 

FIQUE POR DENTRO: Qual a diferença entre renda fixa e renda variável

Nos próximos artigos vou falar mais sobre os diferentes tipos de fundos, como você é tributada ao investir neles, além de trazer mais informações sobre o fundo das mulheres que lucram, o EQL!  

Lembre-se: 3 a cada 4 mulheres chegam à velhice na pobreza. O maior risco que corremos é o de depender financeiramente de outras pessoas no futuro. Nunca é tarde para se começar, mas quanto mais cedo, melhor. Comece ontem a cuidar do seu amanhã! 

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: