Entenda quais são as causas da inflação

Grande temor dos brasileiros, o aumento dos preços corrói o poder de compra da população
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
avatar carol proença
avatar carol proença

A inflação pode ser definida como o aumento geral dos preços, ou seja, quando produtos e serviços ficam mais caros. E o grande problema de um cenário inflacionário é que o poder de compra das pessoas diminui. Isso quer dizer que, com o mesmo dinheiro, elas passam a não conseguir adquirir as mesmas coisas ou pagar as mesmas contas.

Em 1994, por exemplo, R$ 100 eram suficientes para comprar uma quantidade de produtos no supermercado capaz de encher um carrinho. Hoje, no entanto, isso não é mais possível. Proporcionalmente, os R$ 100 de 1994 equivalem a apenas R$ 16,75 atualmente – uma inflação de quase 500% em 27 anos.

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

Mas, afinal, o que causa a inflação? O aumento de preços é ocasionado por diversos motivos e existe uma série de teses que os analisam profundamente. No entanto, existe um fator fundamental para entender a raiz da inflação: a lei da oferta e da demanda.

É graças a ela que os preços são regulados, ou seja, a quantidade disponível versus a intenção de compra dos consumidores. Quando a vontade de comprar se torna maior do que a oferta disponível, a tendência é que os comerciantes aumentem o preço, de forma a evitar o desabastecimento. Por outro lado, se a quantidade de produtos for maior do que a disposição de compra dos clientes, o preço cai, de maneira que eles não encalhem nas prateleiras.

Seguindo essa premissa, um cenário de inflação é aquele no qual existe um aumento da intenção de compra ou uma redução dos produtos disponíveis, e isso pode ocorrer por diversos motivos.

Um exemplo disso aconteceu no Brasil em setembro do ano passado com o arroz. Com o dólar super valorizado e o aumento da demanda pelo grão em países como a China, os produtores acharam mais vantajoso exportar o produto do que vendê-lo no mercado interno. Com isso, o arroz sumiu dos supermercados e o preço chegou a apresentar alta de 65% no acumulado do ano.

Outro exemplo é o aumento da demanda gerado pelo potencial fim da pandemia de Covid-19. Durante o período mais crítico da crise sanitária e o isolamento social, as indústrias diminuíram sua capacidade produtiva para minimizar os prejuízos causados pelo baixo consumo. Quando a economia começou a dar sinais de recuperação – com a ajuda do Auxílio Emergencial e da baixa taxa de juros -, a população voltou a consumir, mas as empresas não estavam preparadas para suprir a demanda, provocando aumento nos preços.

Existem, ainda, outros fatores que podem impactar o valor de produtos e serviços. Quando o dólar aumenta, por exemplo, uma série de produtos atrelados a ele também sobe. O preço das commodities é outra razão para o surgimento da inflação.

Como estamos sentindo na pele, o descontrole de preços prejudica a economia e, consequentemente, a popula0ção. Mas existem algumas medidas que os governos podem adotar para assumir o controle. Mas isso é assunto para a próxima coluna.

Carol Proença é estudante de economia e especialista de investimentos certificada

O conteúdo expresso nos artigos assinados são de responsabilidade exclusiva das autoras e podem não refletir a opinião da Elas Que Lucrem e de suas suas editoras

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: