Criptomoedas: o futuro do dinheiro

Em um tempo de inovações tecnológicas, a maneira como fazemos nossas transações financeiras e investimentos também está mudando
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
avatar carol proença
avatar carol proença

Nos últimos anos, a revolução tecnológica mudou diversos aspectos de nossas rotinas. Os modos como consumimos, nos comunicamos, nos entretemos e até como nos locomovemos mudaram. Com o dinheiro não seria diferente. A tecnologia deu origem a uma nova categoria de moeda, que vem se popularizando como forma de investimento: os criptoativos. Segundo uma pesquisa realizada pela FGV, o número de investidores brasileiros de criptomoedas dobrou entre 2020 e 2021, mostrando a popularidade do investimento

Esses ativos virtuais surgiram após a crise de 2008 com o intuito de oferecer uma alternativa para realizar transações financeiras e pagamentos diretamente entre indivíduos e empresas, sem a necessidade da intermediação de instituições financeiras e governos. A criptomoeda é um desses ativos: uma moeda virtual, que não possui versão física, protegida por criptografia. Ou seja: o dono de um bitcoin, por exemplo, uma das criptomoedas disponíveis atualmente e a pioneira, é dono, na realidade, de um código.

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

O bitcoin é a estrela dos criptoativos. Desde o seu surgimento, em 2011, acumula valorização de mais de 1.548.831%, sendo cotada atualmente a R$ 274 mil. O desempenho foi tão surpreendente que personalidades como Elon Musk e Gisele Bündchen já demonstraram interesse neste universo.

Mas, afinal, o que fez as criptomoedas se valorizarem tanto em tão pouco tempo? Em primeiro lugar, é preciso entender que o diferencial dessas moedas é a tecnologia envolvida, e esse foi um fator importante para atrair investidores que têm uma queda pela inovação. 

Do ponto de vista financeiro, o destaque é o fato de as moedas digitais não estarem atreladas ao governo, como o real está ao Brasil e o dólar aos Estados Unidos. Por não ser de “ninguém”, elas não sofrem as interferências diretas dos mandos e desmandos das autoridades estatais, o que acaba sendo uma vantagem.

Já na economia, as criptomoedas facilitam as transações e derrubam, de uma vez por todas, qualquer barreira geográfica. Algumas companhias, como a Tesla, fabricante de carros elétricos do bilionário Elon Musk, já começaram a cogitar aceitar bitcoins como forma de pagamento. Conforme a moeda for mais e mais aceita em todo o mundo, os custos das transações ficarão cada vez menores, uma vez que não há nenhum tipo de tributação ou órgão regulador. 

Para  completar, as empresas podem utilizar a moeda como forma de investimento e aumentar sua rentabilidade. O aumento da rentabilidade, consequentemente, aumenta o capital de giro dos negócios, o número de empregos e, finalmente, o  nível de consumo, estimulando a economia como um todo.

No entanto, quando pensamos em criptomoedas, é necessário ter visão de futuro, pois elas ainda são recentes na história econômica – sua trajetória não possui nem duas décadas. Dessa forma, sua aceitação como moeda de transação – uso para a compra de produtos – ainda é baixa. Porém, ao que tudo indica, este será o futuro do dinheiro.

Carol Proença é estudante de economia e especialista de investimentos certificada

O conteúdo expresso nos artigos assinados são de responsabilidade exclusiva das autoras e podem não refletir a opinião da Elas Que Lucrem e de suas suas editoras

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: