Os impactos da greve dos auditores fiscais na economia brasileira

Categoria reivindica reajustes salariais e bonificações, mas qualquer paralisação, total ou parcial, pode jogar o país numa crise ainda mais profunda
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
avatar carol proença
avatar carol proença

Na manhã de ontem (18), os auditores fiscais e outros funcionários da Receita Federal anunciaram uma greve como forma de protesto pela falta de reajustes salariais. Com o intuito de conter os gastos, que subiram por causa da pandemia da Covid-19, o governo decretou, em 2020, o congelamento dos salários dos servidores públicos. Desde então, eles estão sem reajuste, que é feito pelo índice de inflação.

No entanto, não é apenas por salário que os auditores estão em greve. Eles também pleiteiam a regulação das bonificações – acordo que, segundo o sindicato, não foi cumprido pelo governo. Na outra ponta, no entanto, o risco fiscal assombra o país, fazendo com que se torne impossível o poder público atender aos pedidos da classe. Segundo o Ministério da Economia, cada 1% de reajuste (geral, não apenas aos auditores) geraria um impacto no orçamento de R$ 3 bilhões.

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

E é claro que os auditores sabem disso. Porém, a revolta surgiu depois que o presidente Jair Bolsonaro declarou, em 8 de janeiro, que reservaria R$ 1,7 bilhão do orçamento de 2022 para o reajuste de funcionários da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e do Departamento Penitenciário Federal. A situação gerou desconforto nos servidores que não tiveram a mesma medida.

Mas, afinal, por que estou falando sobre os auditores fiscais?

Porque o auditores que gerem o nosso imposto de renda. Também são eles que liberam a circulação de diversos produtos, como os importados e exportados. No último dia 12, como maneira de demonstrar sua insatisfação, eles decidiram fazer vistorias minuciosas nas cargas. Essa iniciativa provocou uma fila de 200 caminhões na fronteira entre Paraguai e Brasil.

Por isso, se houver uma greve – geral ou parcial – dos auditores, a circulação de produtos será afetada, assim como aconteceu na greve dos caminhoneiros em 2018. Dessa forma, a demanda reprimida e da escassez pode ser uma piora da inflação, mal que afeta o Brasil há mais de um ano.

Assim como todas as formas de protesto são legítimas, a dos auditores segue a mesma lógica. No entanto, é necessário levar em consideração que, em meio a duas crises atuais – uma econômica e outra sanitária -, qualquer decisão precisa ser pensada com cautela, com vistas a evitar uma piora no cenário nacional.

Por outro lado, a discussão é bem mais profunda, já que a situação reflete uma falta de gestão das finanças do governo. Com isso, os auditores acabaram sendo afetados. Desde que a pandemia começou, o Brasil é o país latino-americano que mais gastou para combatê-la: R$ 633 bilhões. Isso não quer dizer, no entanto, que esse dinheiro foi bem empregado. Prova disso é a quantidade de cidadãos que contraíram a doença: 23,1 milhões, com mais de 621 mil óbitos. Este, no entanto, é assunto para a próxima coluna.

Carol Proença é estudante de economia e especialista de investimentos certificada

O conteúdo expresso nos artigos assinados são de responsabilidade exclusiva das autoras e podem não refletir a opinião da Elas Que Lucrem e de suas suas editoras

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: