Como uma mulher educa seus desejos de compra

Você realmente deseja o que consome ou consome para se sentir desejada?
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
avatar Francine Mendes
avatar Francine Mendes

Você alguma vez se questionou sobre seus consumos? Você realmente deseja o que consome ou consome para se sentir desejada?

No exercício da minha profissão percebi que existe uma barreira impeditiva na construção da saúde financeira da mulher: a vontade inconsciente de satisfazer além do próprio desejo.

Conheça  a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

Fomos programadas para alimentar o ego alheio e consumimos para sermos mais vistas do que lembradas. Esse hábito de autoadulação para buscar aprovação externa nos conduz a passos largos à pobreza, insatisfação e infelicidade.

O modelo cultural colocou o feminino numa posição frágil e vulnerável quando o assunto é dinheiro.
A mulher aluga mal o seu corpo e eu vou explicar por que. Todos alugam o corpo para gerar valor a algo ou alguém. No entanto, à mulher ensina-se a trocar esse pagamento por reconhecimento, generosidade e, às vezes, por uns trocados. A carreira de mãe e esposa não é reconhecida como trabalho, ou seja, doamos nosso corpo (e alma) para essas funções.

Para se ter uma ideia, semanalmente, são 21,4 horas gastas por mulheres em tarefas de casa, quase o dobro quando comparado aos homens, que dedicam 11 horas do tempo.

  • A corrida pelo equilíbrio do tempo, dinheiro e valorização

Pessoas bem-sucedidas costumam alugar de forma inteligente seu corpo e vender bem seu “valioso” tempo, gratificação dada a uma pressão social ao sujeito masculino por exercer seu instinto protetor.

Eles têm remuneração mais vantajosa porque têm mais tempo para produzir e gerar lucro, não há nenhum mal nisso, é uma equação lógica. Apesar disso, o imperativo do uso da força como instrumento de poder não mais condiz (ou não deveria) com a realidade da construção social vigente.

VEJA TAMBÉM: Os primeiros passos para começar a investir com pouco

O poder vem do dinheiro e vice-versa, diz o modelo. Será?
Quem paga manda, concorda?
Mas quem consome e faz girar a economia do mundo inteiro fica como?

É um contrassenso, somos responsáveis por comprar ou influenciar o consumo de 75% de tudo que é produzido no mundo, pagamos “quase” tudo com o dinheiro feito por eles.

As mulheres têm poder de compra, trabalham mais, por outro lado, continuam ganhando 16% menos.

  • E por que consumimos tantas coisas inúteis de forma errada?

Foi designado à mulher a tarefa de despertar o desejo, ser instrumento de satisfação instintual do desejante, no caso, deles. A fêmea, inclusive no mundo animal, deve ser atrativa e reunir predicados para atrair a atenção dos machos.

No mundo “racional” nosso comportamento assemelha-se aos bichos, competimos com outras mulheres pela melhor roupa, melhor sapato, melhor bolsa, melhor corpo ou algo que se aproxime do fetiche mais difícil de atingir, a beleza. A atração pelo belo salta aos olhos desejantes e pagamos um preço alto para sermos desejadas.

O consumismo é um sintoma de uma construção comportamental e tem íntima relação com a falta do objeto (ou objetivo) que nos conecta com nosso verdadeiro ‘Eu’.

O preço está nas estatísticas, nossa saúde emocional e financeira despenca todos os anos na mesma medida que nossa vitalidade, força e aparência.

LEIA MAIS: Francine Mendes lança o livro “Mulheres Que Lucram”

  • Como desejar e consumir o certo?

O primeiro ponto é não se “coisificar”. Quando a mulher abandona seus sonhos para agradar os seus, já se transformou em objeto de manipulação emocional, sexual e financeira mesmo que ele não o faça de caso pensado.

Segundo, saiba mobilizar sua mente com informação de qualidade. Precisamos questionar nossa fantasia de “porto seguro”. Depositar nossa segurança e a responsabilidade sobre si no colo de outro, mostra claramente nossa fragilidade estrutural.

Render-se à capacitação, à terapia, à meditação, ao desfrute da sua própria companhia, é um poderoso afrodisíaco de atração de mentes antes de corpos. Esse raciocínio vale tanto para a vida pessoal quanto profissional.

Por último, uma relação nociva com consumo, fere à saúde financeira da mulher, portanto, precisamos enganar nosso cérebro primitivo – espere 24 horas para agir antes de comprar qualquer coisa ou tomar uma decisão difícil. Nenhuma compra vale a pena – absolutamente nenhuma, antes de se pagar primeiro. Devemos comprar produtos financeiros todos os meses e jamais quebrar essa regra.

Com essa atitude vamos mostrar ao eu desejante que o EU desejado tem o verdadeiro poder – o de se escolher primeiro.

Francine Mendes é autora do livro ‘Mulheres que Lucram’, fundadora da Femtech Elas que Lucrem e CEO do Ellebank, além de ser mãe, esposa, empresária, e mestre em Psicanálise.

O conteúdo expresso nos artigos assinados são de responsabilidade exclusiva das autoras e podem não refletir a opinião da Elas Que Lucrem e de suas suas editoras

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: