Receios infundados podem se transformar em medos reais

Seja honesta consigo mesma na realização de seus sonhos e na construção da sua independência emocional e financeira. Não é sobre medo ou coragem. É medo e coragem
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
avatar Francine Mendes
avatar Francine Mendes

“Aquele que se entrega a medos vazios ganha medos reais”,

“Temer o pior atrai o pior”.

Tanto Shakespeare quanto Sêneca estão certos? O que faz as mulheres terem medo de investir e serem tão irracionais, sobretudo com as finanças? 

O medo de perder nos faz tomar mais riscos para garantir um status quo. Experimente subestimar o poder da inércia para ver o que acontece com seu Eu futuro. Sugiro fortemente não fazê-lo.

Bem, cara leitora, eu aconselho, todos os meses, a reservar 20 minutos do seu tempo para questionar e se informar sobre sua relação com o dinheiro.  Todas as pessoas com certo conforto financeiro, mesmo as que empreendem seu tempo em serviços públicos, têm a coragem de mãos dadas com o medo.

O medo é uma emoção que evoca proteção, é um sentimento bom e ruim ao mesmo tempo, contudo o pânico paralisa e o excesso de coragem mata. Como encontrar equilíbrio e transformar saúde emocional em saúde financeira?

LEIA MAIS

Nós, mulheres, fomos criadas para agradar e não errar, a caixinha apertada que nos trancaram foi para não aceitar imperfeições.  Exigem-nos a beleza, bom comportamento, precisamos ter filhos e trabalhar como se não os tivéssemos.  

Além disso, remuneração para quê? Você já se perguntou por que esses trabalhos devem ser de graça? Tem um ditado acerca da maternidade a assombrar nossas cabeças desde a infância –  “nasce uma mãe, nasce uma culpa”. Muitas tomam isso como verdade absoluta e rasgam-se por dentro para serem socialmente aceitas. 

Pare! Não! Está tudo errado!

Boas moças, boas mães e boas esposas enriquecem? 

 Nos “padrões” éticos dessa sociedade ainda machista, não!

Até porque ser boa é diferente de ser boba. As bobinhas estão enjauladas de medo do pior e atraem o que de mais danoso existe nessa relação – a transferência de responsabilidade para si. 

As boazinhas sabem equilibrar-se entre o freio e o acelerador e não deixam a intuição dominar a razão. Não automatize a culpa. Não automatize a jornada tripla, não automatize o discurso do casamento, nem tão pouco da maternidade. 

Para ter saúde emocional, precisamos diferenciar culpa de saudade (no caso dos filhos). Para ter saúde financeira, temos que automatizar preferencialmente nossos investimentos. Essa deve ser uma das prioridades em sua vida! Ter remuneração decente pelo serviço prestado à sociedade.

A família, os filhos, as empresas… Todos precisam de nós e nós deles. Independentemente da carreira que você trilhe, converse sobre suas receitas e futuro financeiro em casa, com amigos, com chefe e, principalmente, consigo mesma. 

O dinheiro nos traz liberdade de comprar uma certa quantidade de tempo para usufruir ao lado de quem mais amamos. Você admira a mulher que se tornou até aqui? 

De zero a dez,  quanto você admira a sua saúde mental e financeira? 

O medo da mulher não é perder dinheiro, o medo é não agradar aos outros caso isso aconteça. 

Portanto, investir de uma forma que você não perderá dinheiro no mercado financeiro, pelo menos até ter R$ 1 milhão na conta, já é um passo bem importante. 

Como fazer isso?

Primeiro você precisa analisar três pilares: segurança, prazo e rentabilidade.

Os títulos mais seguros são os públicos, mas, neste caso aqui, a segurança máxima está no produto Tesouro Selic, especificamente. Essa cesta de produtos (TESOURO SELIC, IPCA e Pré) tem garantia soberana. 

Em seguida, temos os CDBS de bancos, pois têm garantia do fundo garantidor de crédito e, por fim, os fundos DI (esses últimos são compostos por títulos pós-fixados do Tesouro Direto, os quais seguem a Taxa Selic ou de crédito privado, cujo desempenho tem como parâmetro o CDI). 

Em seguida, analise os prazos. Neste caso, você não quer pensar na hipótese de perder, certo? Portanto, deve-se priorizar a automatização do seu investimento (já falamos sobre como as mulheres devem investir) em produtos que têm liquidez diária – ou seja, que podem ser transformados em dinheiro rapidamente. 

Por fim, lógico que a rentabilidade é importante, mas a disciplina conta mais que a rentabilidade. E a segurança que você tanto preserva está garantida. 

Para resumir – dicas para perder o medo de investir: 

Sua saúde financeira começará no instante em que o medo e a coragem forem aliados. Para investir até R$ 1 milhão, sem risco, escolha produtos como Tesouro Selic, CDBs pós-fixados e Fundos DI – os dois últimos precisam ser necessariamente com liquidez diária e, preferencialmente, de grandes bancos. 

Pronto. Com essas dicas já é possível perder o medo de investir e começar agora mesmo a construir um futuro mais confortável para você e sua família! Posicionar-se a favor de sua saúde mental, garantindo um patrimônio para, pelo menos, não ser um peso na vida de alguém, é prestar um belo serviço à sociedade.

Francine Mendes é autora do livro ‘Mulheres que Lucram’, fundadora da Femtech Elas que Lucrem e CEO do Ellebank, além de ser mãe, esposa, empresária, e mestre em Psicanálise. O Instagram é @francinemendes e o canal do YouTube é https://www.youtube.com/c/FrancineMendes2022

O conteúdo expresso nos artigos assinados são de responsabilidade exclusiva das autoras e podem não refletir a opinião da Elas Que Lucrem e de suas suas editoras

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: