Entenda de uma vez o que é venture capital

Modalidade de investimento tem atraído cada vez mais brasileiros nos últimos anos
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
avatar_Flavia Mello
avatar_Flavia Mello

Cada vez mais no mundo dos investimentos ouvimos o termo investimento-anjo. O tema já invadiu programas de entretenimento, como o “Shark Tank Brasil”, e tem alguns grandes influenciadores e celebridades falando sobre isso. Mas, afinal, o que é investimento-anjo e por que está na moda?

De acordo com dados do Ministério da Economia, os últimos quatro meses do ano passado seguiram a tendência observada em períodos anteriores, e o número de empresas abertas no Brasil ultrapassou a marca de 1 milhão. 

Seja impulsionado pelo alto índice de desemprego no país ou pelas novas demandas dos próprios profissionais que surgiram durante a pandemia de Covid-19 – como o trabalho remoto -, o empreendedorismo nunca esteve tão aquecido por aqui. 

Para começar uma empresa, seja ela qual for, o empreendedor precisa de um investimento inicial. Mas há empresas que têm a ambição de trazer uma inovação expressiva em algum mercado, mudando totalmente a forma de fazer algo que já é repetido por muitos anos. É nestes casos que entra em cena as modalidades de investimento batizadas de venture capital.

LEIA MAIS:

O venture capital nada mais é que investir em empresas em estágio inicial – normalmente em seus primeiros anos de existência – de até médio porte, que tenham a promessa de crescimento exponencial. Ele é ideal para pessoas que, além de dinheiro, também almejam destinar seu tempo para apoiar empreendedores nos desafios que aparecem nessa jornada de criar empresas e ajudá-las a crescer. 

O investidor-anjo aporta suas habilidades técnicas, experiência e rede de contatos para que a empresa tenha mais chance de vencer obstáculos. Se você se interessou por essa modalidade de investimento, tenho algumas dicas para iniciar a sua jornada como investidora-anjo:

  • Comece decidindo quanto do seu patrimônio você quer alocar: o investimento-anjo é considerado de altíssimo risco, além de ter baixa liquidez e resultado de longo prazo. A alocação de 10% de sua carteira nessa modalidade de investimento só faz sentido para investidoras de perfil bastante arrojado! Pense em manter ao redor de 5% de seu patrimônio e lembre-se que pode levar cerca de cinco anos para ter retorno sobre o investimento;
  • Desenhe a sua tese de investimento: ela é o primeiro filtro para o investidor. A tese norteia suas decisões de em qual startup investir. Minha sugestão é que a sua esteja relacionada às suas habilidades pessoais e profissionais. Avaliar empresas que estão construindo soluções na sua área de atuação pode ser um começo mais seguro;
  • Não precisa ser solitária! Busque grupos de investidores-anjo para aprender, na prática, como avaliar empresas em estágio inicial. Hoje, no Brasil, contamos com dezenas de diferentes comunidades que podem apoiar a sua jornada! Encontre a que se conecta mais com as suas necessidades e comece a aprender antes mesmo de investir.

Flávia Mello é cofundadora do Sororité, rede de investidoras-anjo, e investidora em empresas fundadas e orientadas por e para mulheres

Este conteúdo faz parte da edição número 1 da revista EUFRASIA, uma publicação da Elas Que Lucrem.

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: