Por que a maioria das mulheres ainda não investe? 5 dicas para começar agora!

Os tempos mudaram: é hora de ocuparmos o nosso lugar também como investidoras
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
avatar Karina Pescada
avatar Karina Pescada

O universo dos investimentos, infelizmente, ainda é considerado um ambiente muito masculino. Isso acontece pois temos a crença limitante de que mulher e dinheiro não combinam. Fomos ensinadas dessa forma: o homem era o provedor e a mulher fazia “todo o resto”. Por isso, durante diversas gerações não nos manifestamos e seguimos determinados padrões que nos impediram de sermos investidoras.

Hoje, os tempos mudaram, e as mulheres estão reconhecendo a importância de serem educadas financeiramente. Estamos nos dando conta de que isso nos torna mais independentes e donas do nosso próprio nariz. No entanto, por conta dessa longa trajetória pautada por uma sociedade machista, ainda é comum muitas de nós acreditarem que não sabem investir ou que não têm capacidade para gerir suas próprias finanças.

Mulheres fora do mundo dos investimentos

Segundo a pesquisa “Raio X do Investidor”, feita pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbina), as mulheres investidoras são, proporcionalmente, em menor número do que os homens. Quase 75% das brasileiras ainda estão fora do mundo dos investimentos, somando 72% da população. E, entre aqueles que não guardam dinheiro algum, elas são 64%. O principal motivo para grande parte das mulheres não investir é a falta de dinheiro e de organização financeira.

Isso demonstra que investir em educação financeira para as mulheres é fundamental para que elas ocupem mais cargos de liderança ou até mesmo cresçam financeiramente. É por isso que estamos aqui, prontas para ajudá-la com isso.

VEJA TAMBÉM

Como começar a investir?

Para começar a investir, é preciso rever nossas questões culturais, como mencionei anteriormente, e buscar por sororidade, ou seja, respeito e admiração ativados pela identidade de gênero. O significado de sororidade carrega a ideia de que ficamos mais fortes quando nos unimos.

Além disso, devemos extinguir o fato de a mulher ser taxada de consumista e muito sensível para o mundo dos investimentos, pois esse tipo de tabu diminui a segurança para investir e nos torna mais conservadoras, priorizando a família e a educação dos filhos. Hoje, das mulheres que investem, 83% escolhem a poupança.

Entendo que a caderneta de poupança seja mais segura, porém ela tem um baixo rendimento e impossibilita a mulher de alcançar seus objetivos financeiros.

Por um mundo com mais mulheres investidoras

Ainda falando sobre o comportamento feminino relacionado às finanças, muitas mulheres acreditam que precisam ter muito dinheiro para começar a investir – e isso não é verdade. Atualmente, com apenas R$ 30 é possível adquirir um título público, que já tem rendimento melhor do que a poupança.

Empoderar mulheres financeiramente tem um efeito multiplicador e colabora com o crescimento econômico e o progresso do país. Por isso, veja, a seguir, algumas dicas para você se tornar uma mulher investidora:

  • Acredite no seu potencial

Começar algo novo é sempre difícil, por isso nunca duvide que você é capaz. Busque conhecimento e esteja sempre próxima a pessoas que buscam ser mais prósperas financeiramente. Inspire-se em mulheres que falam sobre finanças. Certamente isso dará mais segurança para você começar.

  • Abra conta em uma corretora de valores

Se você ainda não fez isso, corre! Ter conta em uma corretora vai permitir que você tenha acesso a mais produtos financeiros e sem aquelas taxas que as grandes instituições financeiras cobram. E não tenha medo: investir em corretora é muito seguro.

  • Entenda seus gastos e receitas

Essa é uma dica recorrente. Ela parece boba, mas é importantíssima. Se você não souber seus gastos, você não conseguirá calcular a sua reserva de emergência – nossa próxima dica!

  • Tenha uma reserva de emergência

A reserva financeira protege você de qualquer eventualidade: falta de emprego, impossibilidade de trabalhar por motivos de saúde etc. Geralmente, ela é formada por uma quantia que equivale a de seis a 12 meses dos seus gastos. Por exemplo: se você gasta R$ 1.000 por mês, você deve ter guardado R$ 6.000 ou R$ 12.000 em algo seguro e com liquidez.

  • Invista sempre

Nunca deixe de investir mensalmente. Poupe e aplique o dinheiro todos os meses. Criar esse hábito permitirá a você se tornar independente financeiramente e livre para buscar o que realmente deseja.

Até a próxima!

Karina Scola Pescada é planejadora financeira pessoal CFP® da Foquemos Investimentos

O conteúdo expresso nos artigos assinados são de responsabilidade exclusiva das autoras e podem não refletir a opinião da Elas Que Lucrem e de suas suas editoras

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Consciente

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: