Realização de lucros sobre bancos e Petrobras faz Ibovespa cair

Índice perdeu força e fechou em baixa de 0,82%, aos 120.065,75 pontos, com giro financeiro de R$ 31,6 bilhões
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

Um movimento mais abrangente de realização de lucros alvejou ações de Petrobras e de bancos, praticamente zerando os ganhos registrados na véspera e arrastando consigo o principal índice da Bovespa, num dia de noticiário corporativo intenso.

Após ter chegado a abril no azul, experimentando máximas desde fevereiro, o Ibovespa perdeu força, descolando do movimento discretamente positivo de Wall Street, até fechar em baixa de 0,82%, aos 120.065,75 pontos. O giro financeiro da sessão somou R$ 31,6 bilhões.

OLHA SÓ: Omega Geração tem prejuízo de R$94 mi no 1° tri

O Ibovespa vai para a última sessão de abril com alta acumulada de 2,94% no mês.

“O investidor ainda se mostra bastante reticente em se posicionar em ações de bancos e de Petrobras”, afirmou Henrique Esteter, analista da Guide, explicando que o otimismo da véspera, após o balanço trimestral do Santander Brasil, não se sustentou.

Os receios dos investidores seguem nos planos político e fiscal. No primeiro, a convocação da CPI da Covid para o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e os ex-titulares da pasta Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello, além do presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, aumentou o temor de consequências políticas para a agenda de reformas.

No âmbito fiscal voltaram a pairar receios sobre possíveis movimentos do governo para ampliar gastos, após o Tesouro Nacional anunciar que o governo central teve superávit primário de R$ 2,1 bilhões em março, melhor que a projeção de analistas, de déficit de R$ 3,1 bilhões.

Segundo profissionais do mercado, esse pano de fundo se sobrepôs ao noticiário corporativo, que teve sequência com os resultados de CSN, Gol, Embraer e Multiplan. A temporada segue nesta noite com os números e Unidas e Fleury.

E AINDA: Gol tem prejuízo de R$ 2,5 bi no 1º tri e fará aumento de capital

O pregão também repercutiu o anúncio de reestruturação societária entre Lojas Americanas e B2W e a estreia das ações da Caixa Seguridade.

No plano externo, após um dia positivo em Wall Street sob resultados animadores do Facebook, o mercado se concentra agora nos resultados de Amazon, Twitter e Mastercad.

Destaques

  • SANTANDER BRASIL teve declínio de 3,87%, esvaziando boa parte dos ganhos da véspera que vieram na esteira do balanço trimestral. Puxou a fila da correção no setor bancário, com BRADESCO caindo 2,98%, e ITAÚ UNIBANCO cedendo 3,15% e BANCO DO BRASIL caindo 2,2%.
  • PETROBRAS teve baixa de 1,34%, com ações de gigantes de commodities alvejadas por realização de lucros. Mas VALE ficou estável.
  • LOJAS AMERICANAS teve desvalorização de 5,17%, enquanto B2W subiu 7,69%. Os conselhos das duas empresas aprovaram na véspera a proposta de fusão revelada em fevereiro, o que abre caminho para uma listagem nos Estados Unidos.
  • GOL encolheu 1,24%, após reportar prejuízo de R$ 2,5 bilhões, ante perda de R$ 900 milhões no último trimestre de 2020.

LEIA AQUI: Petrobras refuta rota única para biodiesel e quer lançar ‘diesel verde’

  • EMBRAER, que teve prejuízo líquido de US$ 90 milhões no primeiro trimestre, ante perda líquida de US$ 300 milhões um ano antes, retrocedeu 4,31%.
  • CSN, que teve lucro líquido de cerca de R$ 5,7 bilhões dno primeiro trimestre, perdeu 2,2%. Em relatório, o BTG Pactual classificou os resultados como sólidos e reiterou sua recomendação de compra para a ação. Executivos da empresa disseram em teleconferência que os resultados do segundo trimestre serão melhores que o primeiro e que o grupo iniciou trabalhos para IPO de sua unidade de cimentos.
  • MULTIPLAN, que teve lucro líquido de R$ 46,3 milhões de janeiro ao fim de março, queda de quase 74% ano a ano, perdeu 2,17%.
  • CAIXA SEGURIDADE ganhou 3,93%, na estreia do braço de seguros e previdência da Caixa Econômica Federal no pregão, após sua oferta inicial de ações (IPO) que movimentou cerca de R$ 5 bilhões.
  • ECORODOVIAS subiu 4,55% após vencer o leilão pela concessão da BR-153/414/080/TO/GO, lote pelo qual pagará um total de R$ 1,26 bilhão. Bateu a rival CCR, cujas ações subiram 0,89%.

(com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: