Mulheres chegam à marca histórica de 1 milhão de participantes na bolsa de valores brasileira

O número mostra um crescimento rápido e exponencial da participação feminina no mercado financeiro de renda variável
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

Segundo o relatório de perfil de investidores divulgado pela B3 hoje (4), o número de mulheres com CPF registrado na bolsa de valores brasileiras chegou à marca histórica de 1 milhão. No total, elas somavam 1.007.982 no final do mês de abril de 2021.

O número mostra um crescimento rápido e exponencial da participação feminina no mercado financeiro de renda variável, visto que, no final do primeiro semestre de 2020, elas já haviam registrado novo recorde de participação. Na época, 181.181 novas investidoras ingressaram na B3 entre fevereiro e junho do ano passado, o que elevou o número de mulheres na bolsa para 648.185, um crescimento de 39% no período.

OLHA SÓ: Conheça o fundo FOF e saiba como ele pode ajudar na conquista pela independência financeira

Em agosto do ano passado, uma nova marca foi batida segundo o levantamento da B3: elas somavam 847 mil investidoras, o que representou um salto de participação de 118% no ano e uma fatia de 26% do total de investidores brasileiros.

Com o novo recorde de 1 milhão de CPFs de mulheres inscritos na bolsa de valores brasileiras, a participação feminina agora representa 27,3% do total. O movimento segue a tendência, observada desde 2019, de crescimento da presença delas em um ambiente majoritariamente masculino.

Antes de 2019, os dados do levantamento da B3 apontavam para um fluxo contrário, no qual o número de mulheres oscilava positivamente e negativamente, enquanto o de homens disparava. Tal cenário fazia com que, em comparação ao total, o percentual de participação feminina oscilasse negativamente.

Em 2014, a participação feminina era de 24,43% (137.794), enquanto que em 2015 o número caiu para 23,77% (132.427), em 2016 para 23,10% (130.265), em 2017 para 22,87% (141.738) e 2018 para 22,06% (179.392). A reviravolta aconteceu em 2019, quando a participação de mulheres dobrou pela segunda vez desde 2007 e chegou a 23,11% (388.497).

E AINDA: Como diversificar investimentos

A presença de 1 milhão de mulheres na bolsa de valores brasileira representa apenas 1% do número total de cidadãs do país (100,5 milhões). Tais dados, apontam para um vasto público que ainda pode ser alcançado e, um dos principais passos para chegar lá, é investir em educação financeira e autogestão.

Do total de volume investido no Brasil, apenas 20,7% ( R$ 104,34 bilhões) provém de mulheres.

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: