Dólar salta com sinalização dura de autoridade do Fed

Juros mais altos nos EUA tendem a favorecer a moeda norte-americana com o ingresso de recursos de investidores que buscam retornos mais altos
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

O dólar subiu acentuadamente contra o real hoje (18), depois de chegar a ir abaixo de R$ 5 mais cedo, acompanhando o fortalecimento global da divisa norte-americana na esteira de comentários “hawkish” (duro com a inflação) de uma autoridade do Federal Reserve.

O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, disse à CNBC nesta manhã que a inflação nos Estados Unidos está mais intensa do que o esperado. Ele também afirmou que está entre as sete autoridades do banco central norte-americano que esperam que medidas mais agressivas –como um aumento de juros já no ano que vem– contenham as pressões sobre os preços.

OLHA SÓ: Ibovespa tem nova perda semanal após Fed antecipar alta nos juros

Após os comentários de Bullard, o dólar devolveu suas perdas iniciais contra o real e manteve um movimento de alta até o fechamento. A moeda norte-americana registrou ganho de 0,92% neste pregão, a R$ 5,0712 na venda. Na B3, o dólar futuro de maior liquidez avançava 1,23%, a R$ 5,0775.

No exterior, o índice do dólar e os rendimentos norte-americanos ganharam terreno após a notícia, enquanto as ações globais recuaram. Peso chileno, peso mexicano e rand sul-africano, divisas emergentes pares do real, caíam mais de 1% nesta sexta-feira.

Com a discussão em torno de um aperto monetário mais cedo do que o esperado na maior economia do mundo, “o mercado fica naquela ansiedade: será que já vai começar uma migração dos investidores para ativos dos Estados Unidos em detrimento de ativos de países emergentes?”, disse à Reuters Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

Na quarta-feira, o Fed já havia anunciado a antecipação de suas projeções para o primeiro aumento nos juros pós-pandemia de 2024 para 2023, abrindo também a discussão sobre quando e como pode ser apropriado começar a reduzir suas compras mensais de ativos.

Juros mais altos nos EUA tendem a favorecer a moeda norte-americana com o ingresso de recursos de investidores que buscam retornos mais altos e, ao mesmo tempo, segurança.

Selic mais alta à frente

Por outro lado, o Brasil também conta com perspectivas de elevação de juros, o que ajudou o real a tocar R$ 4,9823 na mínima intradiária desta sexta-feira.

O Banco Central promoveu a terceira alta consecutiva de 0,75% da taxa Selic na quarta-feira, a 4,25%, e anunciou a intenção de dar sequência ao aperto monetário com uma nova alta de pelo menos a mesma magnitude em sua próxima reunião.

E AINDA: Dólar vai abaixo de R$ 5,00 com expectativa de juros mais altos

O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC também abandonou o uso da expressão “normalização parcial” para se referir ao atual ciclo de alta de juros, explicitando que pretende fazer um aperto maior do que vinha sendo sinalizado até então, levando a Selic para patamar considerado neutro.

Em nota, analistas da Genial Investimentos avaliaram que esses são todos sinais “positivos para a trajetória do real nos próximos meses, apesar da postura mais dura do Federal Reserve.”

Um maior diferencial de juros entre o Brasil e países de economias avançadas tende a beneficiar o real, principalmente devido a estratégias de “carry trade”. Elas consistem na tomada de empréstimos em moeda de país de juro baixo e compra de contratos futuros da divisa de juro maior (como o real). O investidor, assim, ganha com a diferença de taxas.

Em meio a esse cenário, que era acompanhado por alguns sinais de avanço na imunização da população brasileira contra a Covid-19, “o real deve continuar testando patamares abaixo de 5 reais”, disse Cruz, da RB Investimentos. Para ele, o que vai fornecer apoio à divisa local será o alívio de temores de restrição econômica devido à Covid-19 e sinais de maior oferta de vacinas no país.

Mas talvez leve tempo para o dólar cruzar a marca psicológica com mais força, ressaltou: “têm muitas posições em torno dos R$ 5, então é um patamar em que existe uma certa resistência”.

A última vez em que o dólar fechou um pregão abaixo dos R$ 5 foi em 10 de junho de 2020 (R$ 4,9398).

A moeda norte-americana teve queda de aproximadamente 0,965% contra o real no acumulado da semana. Até agora em 2021, o dólar recua cerca de 2,3% em relação à divisa local.

(com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: