Fundos geridos por mulheres rendem mais do que os de homens

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

Um estudo feito pelo banco Goldman Sachs, nos Estados Unidos, mostrou que mulheres gestoras estão se saindo melhor que os homens na mesma posição  no mercado financeiro.

Na pesquisa, dos quase 500 fundos multimercados dos EUA acompanhados pelo banco, os que têm ao menos um terço de mulheres em sua equipe de gestão conseguiram uma rentabilidade de 1 ponto percentual maior do que aqueles sem mulheres no quadro.

Os dados analisados, do período de janeiro até 26 de agosto de 2020, mostram que os fundos que não tinham mulher tiveram uma performance negativa de 1,6 ponto percentual. 

A explicação proposta pelo banco sobre os resultados é a de que os fundos com presença feminina são mais expostos a ações de empresas de tecnologia, como Amazon, Apple, Tesla e Microsoft. Foram essas empresas que puxaram a recuperação da bolsa americana. Já os fundos masculinos tinham grande exposição a nomes do mercado financeiro como Berkshire Hathaway, Wells Fargo e Visa.

OLHA SÓ: L’Oréal Paris anuncia a primeira embaixadora nacional com síndrome de Down

O levantamento mostra ainda que, em geral, 43% dos fundos administrados por mulheres se saíram melhor do que os índices de referência este ano, comparado a 41% dos que têm gestão apenas masculina.

Ao todo, 77% dos fundos analisados são comandados apenas por homens. Apenas 13% são administrados realmente pelas mulheres. “O resultado de uma maior participação feminina foi quantificado no rendimento dos fundos pesquisados pelo Goldman Sachs. No caso do mercado brasileiro de ações, fica mais difícil de dizer, dada a baixa presença de mulheres no comando das companhias listadas em Bolsa”, escreve o jornalista, empreendedor e fundador do site Monitor de Mercado, Marcos de Vasconcellos, em artigo publicado pela Folha de S. Paulo.

“Como mudar o cenário e, futuramente, ter mais fundos também geridos por mulheres, passa por simplesmente conversar mais sobre o assunto, de modo a aumentar a familiaridade com o tema, desmistificando termos e siglas”, complementou.

Com informações do Valor Investe e da Folha de São Paulo

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: