Assine nossa newsletter

Ibovespa fecha em queda com realização de lucros após oito altas seguidas

Índice de referência do mercado acionário brasileiro recuou 0,76%, a 129.787,11 pontos
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

O Ibovespa fechou em queda hoje (8), em meio a movimentos de realização de lucros que quebraram uma série de oito altas seguidas, a maior desde 2018.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa recuou 0,76%, a 129.787,11 pontos. O volume financeiro somou 35,9 bilhões de reais.

“É um movimento super natural, que vem depois vários pregões de alta”, afirmou o diretor de investimentos da BS2 Asset, Mauro Orefice, acrescentando que não vê nenhuma mudança relevante dessa tendência no curto prazo.

Ele também considera possível o Ibovespa continuar subindo, “de repente buscar os 135 mil pontos nas próximas semanas”.

Na véspera, o Ibovespa completou a maior série de altas desde 2018, acumulando no período acréscimo de 6,3%. O índice também renovou recordes de fechamento e intradia e ultrapassou na véspera os 131 mil pontos pela primeira vez – mesmo que momentaneamente.

OLHA SÓ: Dólar fecha perto da estabilidade em meio a expectativas sobre política monetária

O gestor de renda variável da Western Asset, Cesar Mikail, atribuiu parte desse movimento ao fluxo de capital externo na bolsa, mas também a números sobre a atividade econômica que têm surpreendido para cima e melhora da perspectiva fiscal.

Em relação aos estrangeiros, dados da B3 mostram saldo positivo no mercado secundário de ações de 6 bilhões de reais nos primeiros pregões do mês, após maio ter registrado entrada líquida de 12,2 bilhões de reais.

Mikail também acrescentou que é natural que ocorra uma pequena realização como a observada nesta sessão, mas que permanece com um viés positivo, citando entre os argumentos expectativas de avanço da reforma administrativa e tributária.

“Todos esses eventos que estão vindo são positivos, sustentam a bolsa nesse patamar”, afirmou.

Destaques

– BRASKEM PNA recuou 6,36%, após uma série de quatro pregões de alta em que acumulou valorização de mais de 20%. Investidores continuam monitorando desdobramentos sobre a venda da participação dos controladores da petroquímica – Novonor (ex-Odebrecht) e Petrobras. Mais cedo, a ação renovou máxima histórica intradia, a 61,53 reais.

– B3 ON caiu 5,55%, respondendo pela maior pressão negativa do Ibovespa e tocando mínima desde junho de 2020 no pior momento. No radar, permanecem especulações sobre um eventual novo competidor no setor. O diretor de investimentos da Reach Capital, Ricardo Campos, acrescentou que o mercado também avalia potenciais efeitos em tarifas e outros movimentos a partir do ambiente atual no qual dois grupos – XP e BTG Pactual – conquistam bases de clientes relevantes.

– IGUATEMI ON fechou em queda de 3,19%, tendo no radar proposta de reorganização societária pela qual a empresa será incorporada por sua controladora, o Grupo Jereissti. A administradora de shopping centers estimou que terá capacidade para dobrar de tamanho com a reorganização. A operação ainda precisa ser aprovada por acionistas minoritários.

– VIA VAREJO ON valorizou-se 4,37%, apoiada por números melhores do que o esperado das vendas no varejo em abril, com outros papéis do setor também resistindo à realização de lucros na bolsa paulista. MAGAZINE LUIZA ON, que também anunciou a aquisição da plataforma para processamento de cartões Bit55, encerrou com elevação de 1,2% e B2W ON avançou 1,02%.

– PETROBRAS PN subiu 1,31%, acompanhando a melhora do petróleo no exterior, onde o Brent fechou com acréscimo de 1,02%. PETROBRAS ON avançou 2,4%.

– VALE ON caiu 1,68%, em sessão de declínio generalizado no setor de mineração e siderurgia do Ibovespa, com os futuros do minério de ferro na China recuando pela terceira sessão consecutiva nesta terça-feira, acompanhando uma queda nos preços do aço no país impulsionada por sinais de desaceleração na demanda siderúrgica.

– CVC BRASIL ON subiu 1,89%, após a operadora de turismo anunciar que contratou o Citigroup e o BTG Pactual para uma potencial oferta primária.

(Com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter