O que é e para que serve a moeda digital do Banco Central

Novo recurso deve funcionar de modo semelhante ao dinheiro físico e não como as criptomoedas, que estão na classe de ativos de investimentos
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
O que é e para que serve a moeda digital do Banco Central
Segundo Albergaria, “as moedas digitais devem ter as mesmas três funções clássicas de uma moeda física: ser meio de troca, ser uma reserva de valor e ser unidade de conta, como falam os economistas, tecnicamente

O Banco Central anunciou no último dia 24 de maio que vai lançar o “real digital“, a primeira moeda digital brasileira. A autoridade financeira segue a tendência mundial de digitalização do dinheiro, a exemplo da China, primeira potência mundial a lançar sua moeda digital, e dos Estados Unidos, que prometem o dólar digital até julho de 2021.

Ainda não foram anunciados muitos detalhes e não há definição se um real da moeda digital valerá exatamente um real da convencional. Mas, já se sabe que o real digital terá foco em novas tecnologias, como a chamada IoT, internet das coisas, que é uma evolução tecnológica com o propósito de conectar mais objetos à internet.

OLHA SÓ: Por que uma cédula de R$ 200?

Por meio de nota, a instituição disse que “tem promovido discussões internas e com seus pares internacionais visando o eventual desenvolvimento” da moeda. Segundo o BC, a moeda deve “acompanhar o dinamismo da evolução tecnológica da economia brasileira”.

O coordenador dos trabalhos sobre a moeda digital do Banco Central, Fabio Araujo, explicou que a moeda digital será diferente das criptomoedas. “Os criptoativos, como o Bitcoin, não detém as características de uma moeda mas sim de um ativo. A opinião do Banco Central sobre criptoativos continua a mesma: esses são ativos arriscados, não regulados pelo Banco Central, e devem ser tratados com cautela pelo público”, disse à Agência Brasil.

O que é uma moeda digital

Matheus Albergaria, professor de Economia da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), explica que a moeda virtual pode ser vista como todo “dinheiro digital” criado e armazenado eletronicamente. 

É uma versão digital do dinheiro e, teoricamente, deve cumprir as funções básicas de uma moeda. Ou seja, deve funcionar como meio de troca, unidade de conta e reserva de valor.

“É importante diferenciar que a moeda digital proposta pelo Banco Central e por outros bancos do mundo é diferente de ativos digitais como o Bitcoin, por exemplo. Ela tem uma emissão centralizada pelo BC e não é vista como ativo financeiro, ou seja, se eu tenho hoje R$ 20 na minha carteira em formato digital, eles continuam valendo os mesmos R$ 20. Ele não valoriza e nem desvaloriza. Também são chamadas de CBDC [sigla em inglês referente a Central Bank Digital Currencies, moedas digitais emitidas pelos bancos centrais]”, explica o professor. 

As criptomoedas, como o Bitcoin, são um subgrupo das moedas digitais. Toda criptomoeda é uma moeda digital, mas nem toda moeda digital é uma criptomoeda.

Diretrizes do real digital

  • Foco em tecnologia para fomentar modelos de negócio inovadores, que possam imprimir maior eficiência a nossa economia;

E AINDA: O que são criptomoedas? Vale a pena investir?

  • Previsão de uso no varejo, o que implica que o real digital deverá ser parte do cotidiano das pessoas, sendo empregado por todos que operam com contas bancárias, contas de pagamentos, cartões ou dinheiro vivo;
  • Quanto à operação online, o real digital deverá ser integrado aos sistemas de pagamentos atuais, permitindo operações como o pagamento em uma loja ou a transferência de recurso para outras pessoas. Já a o pagamento offline, que ainda enfrenta dificuldades tecnológicas, seria análogo a quando se faz um pagamento em real físico em um estabelecimento, ou região, que não tenha conexão com a internet;
  • O modelo de distribuição que se pretende implementar é intermediado. O BC emitirá o real em formato digital que será passado para o usuário final por meio dos participantes do sistema de pagamentos, como ocorre hoje com o real em sua forma física. Esse modelo mantém os relacionamentos existentes entre cliente e instituições do sistema de pagamentos e dá, a esses últimos, mais um instrumento para a inclusão de novos clientes no sistema;
  • A diretriz de ausência de remuneração equipara, também nessa dimensão, o real digital ao real físico. Quando você tem, por exemplo, uma nota de R$ 20 na carteira, essa nota não é remunerada, ele não mudará de valor, continuará valendo R$ 20. Do mesmo modo, quando você mantiver o valor de R$ 20 em forma digital parado na sua carteira virtual, esse valor não será alterado.

Qual a vantagem?

Segundo Albergaria, “as moedas digitais devem ter as mesmas três funções clássicas de uma moeda física: ser meio de troca, ser uma reserva de valor e ser unidade de conta, como falam os economistas, tecnicamente. A grande vantagem é que ela reduz o que os economistas chamam de tempo de transação.”

O especialista lembra que o ex-professor da Universidade de Chicago e Nobel de Economia de 1991, Ronald Coase (1910-2013), teorizou sobre a importância dos chamados “custos de transação”. 

“Esses custos de transação correspondem aos custos de utilização do mercado. Por isso, a criação de uma moeda digital vai eliminar consideravelmente custos associados à utilização de mercado”, segundo Coase. 

LEIA AQUI: 7 vantagens de receber pagamentos pelo PIX

Por exemplo, nos anos de 1980 e 1990, quem precisasse de dinheiro tinha que obrigatoriamente se dirigir a um banco, em dias e horários específicos, e esperar em uma fila para sacar o dinheiro, para a partir daí realizar transações. “Exemplos de custos dessa natureza são os recursos gastos com a utilização de moedas físicas, como as idas ao banco para sacar dinheiro, os custos de armazenamento e moeda, o transporte das cédulas pelas instituições bancárias, dentre outros”, diz Matheus Albergaria. 

“Acho que vai ser muito interessante em um futuro próximo acompanhar os desafios e as vantagens associadas a essas iniciativas pioneiras. Mais interessante ainda seria se alguns países criarem a moeda digital e outros continuarem utilizando moedas físicas. Do ponto de vista social, é importante avaliar as diferenças para uma melhor compreensão das vantagens e desvantagens no futuro próximo”, destaca Albergaria.

Entraves no Brasil

O professor diz que a criação de moedas digitais deve ser uma tendência para os próximos anos, mas vê entraves para sua concretização no país no momento atual. 

“Veremos cada vez mais iniciativas de empresas e bancos centrais para criar moedas digitais. Contudo, no Brasil, há desafios: a falta de educação financeira do brasileiro médio, e o acesso à internet, que não é universal. Mais do que isso, durante a pandemia, fica a dúvida de como a economia brasileira vai reagir aos efeitos adversos da Covid-19, assim como a maneira a partir da qual a instauração de uma moeda digital se daria no atual contexto econômico, que se encontra bastante fragilizado, na verdade”.

Outros desafios adicionais que o próprio Banco Central já antecipa são questões relacionadas aos dados bancários dos clientes, financiamento de atividades terroristas e ilegais, e lavagem de dinheiro. “Mas é sempre bom lembrar que há claras vantagens na criação dessa moeda digital em um país como o Brasil”.

O Banco Central informou que antes que se possa emitir o real digital, o arcabouço legal deve ser ajustado para se ter as competências necessárias e garantir a segurança jurídica das operações. “A extensão ou a natureza desses ajustes ainda não pode ser determinada, pois as balizas apresentadas não definem uma moeda digital brasileira, mas, sim, um espaço para que o BC possa dialogar com a sociedade”, pontuou o coordenador dos trabalhos sobre a moeda digital do Banco Central.

“Ainda temos bastante debate a ser feito antes que a gente estabeleça um cronograma. A gente não espera que o real digital acabe com o real físico e nem com os depósitos bancários. Vai conviver, vai ser mais uma opção ao usuário”, declarou Araujo.

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: