Principais notícias do mercado para quarta-feira

Decisão da taxa Selic e do Fed, votação da Eletrobrás e tudo que vai mexer com o mercado hoje
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

Hoje (16), o dia foi chamado de “Super Quarta” pelas expectativa das decisões do Federal Reserve e do COPOM, vencimento de contratos futuros do Ibovespa e votação da privatização da Eletrobrás no Senado. Portanto, é esperado uma grande movimentação do mercado e um dia de atenção para os investidores.

O S&P500 fechou ontem em uma baixa de 0,2%, aos 4.246 pontos. Os investidores passaram o dia em cautela, aguardando as notícias das decisões do Federal Reserve, Banco Central dos Estados Unidos. A expectativa é de que ocorra uma redução nos estímulos econômicos e uma alta na projeção das taxas de juros para 2023.

OLHA SÓ: Principais notícias do mercado para terça-feira

Ontem também houve a divulgação do índice de produção da China referente ao mês de maio e apresentou uma alta de 8,8%, valor inferior ao dado do mês de abril (9,8%) e abaixo das projeções dos analistas. Com isso, a bolsa de Xangai fechou com queda de 1,07%.

No Brasil, o Ibovespa fechou com leve queda de 0,09%, a 130.091 pontos. O resultado foi puxada por uma desvalorização da Vale, que caiu 1,95%. O mercado se manteve cauteloso no aguardo das decisões do COPOM (Comitê de Politicas Monetárias) e do FOMC (Comitê Federal de Mercado Aberto) dos Estados Unidos.

A expectativa do mercado é de que o COPOM divulgue um aumento de 0,75% hoje como uma forma de controlar a inflação, que vem apresentando uma projeção de alta no relatório divulgado pelo Banco Central.

Na terça, o presidente Bolsonaro divulgou um novo valor para o programa Bolsa Família de R$ 300 em média. Entretanto, o anúncio gerou uma preocupação entre os analistas, que temem que esse gasto acabe ultrapassando o teto de gastos e gerar um problema para a política fiscal.

Carol Proença é estudante de Economia e especialista de investimentos certificada

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: