Dólar fecha em alta de 0,36%, a R$5,2112, em novo dia instável

No exterior, o dólar chegou ao fim da tarde perto da estabilidade, mas também mostrou volatilidade ao longo do pregão
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

O dólar fechou em alta moderada hoje (22) depois de ter oscilado bastante ao longo do pregão, novamente alterando perdas e ganhos, refletindo um cenário externo também instável e ainda o aquecido noticiário político doméstico.

O dólar à vista subiu 0,36%, a R$ 5,2112 na venda. A moeda variou de R$ 5,168 (-0,48%) a R$ 5,2252 (+0,63%).

OLHA SÓ: Financiamento imobiliário registra recorde em junho

No exterior, o dólar chegou ao fim da tarde perto da estabilidade, mas também mostrou volatilidade ao longo do pregão, marcado pela decisão de política monetária na zona do euro e por dados piores do mercado de trabalho norte-americano –ambos tendo como pano de fundo um ressurgimento dos receios em torno da Covid-19.

Estrategistas do Société Générale chamaram atenção para o que consideram uma divergência entre aumento de casos e hospitalizações por Covid-19 em países onde a vacinação está avançada. Isso indicaria retomada contínua da economia, o que favoreceria o dólar contra outras moedas. O euro, por exemplo, caía 0,2% nesta sessão, com o Banco Central Europeu (BCE) prometendo manter juros em mínimas recordes por mais tempo.

No caso do real, os profissionais destacaram uma linha de tendência de alta para o dólar depois de a divisa ter saído de um canal de queda que durou vários meses. A expectativa deles é que os preços se estabilizem com teto em R$ 5,29/5,31 e piso em R$ 5,10.

“Eventualmente, o salto pode persistir em direção à média de 200 dias de 5,37 reais, com o próximo obstáculo nas projeções de R$ 5,48/R$5,50″, disseram em nota.

Com as altas recentes, o dólar voltou a operar acima de sua média móvel de 50 dias, mas segue abaixo das médias de 100 e 200 dias, consideradas indicativos melhores de tendência num prazo mais longo.

Nesta semana, o dólar tem se mantido numa faixa estreita entre R$ 5,19 e R$ 5,25, depois de na semana passada chegar a encerrar sessão em cerca de R$ 5,08.

A mudança de patamar veio acompanhada ainda de mais uma leva de notícias políticas de Brasília, com o governo tentando fortalecer apoio no Congresso, mas às custas de menor autonomia do Ministério da Economia de Paulo Guedes, em meio ao pior momento para o presidente Jair Bolsonaro desde o início de seu mandato e a debates ruidosos em torno da polêmica reforma tributária proposta por Guedes.

VEJA: Bolsonaro confirma reforma ministerial e Ciro Nogueira na Casa Civil

Bolsonaro confirmou nesta quinta-feira que o senador Ciro Nogueira (PP-PI) aceitou seu convite e deverá assumir a Casa Civil de seu governo.

“Ao mesmo tempo que a governabilidade melhora no curto prazo, é um risco enorme para o governo no médio prazo”, disse a Rio Bravo em comentário, lembrando que, com o centrão dentro do governo, há risco de mais pressão por emendas parlamentares e para outros gastos.

(Com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: