Governo eleva em R$ 43 bilhões projeção de receitas no ano

Estimativa oficial para o déficit primário do governo central em 2021 foi reduzida para R$ 155,4 bilhões, o equivalente a 1,8% do PIB
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

O governo elevou sua projeção de receitas primárias líquidas para 2021 em R$ 43,1 bilhões, para R$ 1,476 trilhão, e confirmou ver espaço para liberar o total de R$ 4,5 bilhões do Orçamento do ano que ainda seguia contingenciado após bloqueio promovido pelo presidente Jair Bolsonaro na sanção da lei orçamentária.

O Relatório de Receitas e Despesas do terceiro bimestre do Ministério da Economia, divulgado hoje (22), apontou também a possibilidade de as despesas discricionárias do Executivo serem ampliadas em R$ 2,8 bilhões.

OLHA SÓ: O plano por trás da compra de 21 empresas pelo Magazine Luiza

A estimativa oficial para o déficit primário do governo central em 2021 foi reduzida para R$ 155,4 bilhões, o equivalente a 1,8% do PIB, mostrou o documento. O relatório anterior, de maio, previa um déficit primário de R$ 187,7 bilhões (2,2% do PIB).

A reestimativa foi resultado principalmente da melhora da projeção para as receitas, após a arrecadação federal ter atingido um valor recorde no primeiro semestre.

Já as despesas primárias foram elevadas em R$ 10,8 bilhões sobre a estimativa divulgada em maio, para R$ 1,632 trilhão.

O montante de créditos extraordinários foi elevado em R$ 25,4 bilhões sobre maio, para R$ 124,9 bilhões, refletindo principalmente o impacto da prorrogação do auxílio emergencial.

A nova programação de receitas e despesas do governo leva em conta uma projeção de alta do PIB de 5,3% e de uma inflação de 5,9% para este ano, dado atualizado pela Secretaria de Política Econômica na semana passada, frente a um crescimento de 3,5% e inflação de 5,05% considerados antes.

(Com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: