Principais notícias do mercado para quarta-feira

Otimismo nos Estados Unidos, resultados financeiros positivos e tudo que vai mexer com o mercado hoje (21)
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

As bolsas norte-americanas fecharam em alta ontem (20), após o mercado aproveitar a queda das bolsas que ocorreu na segunda-feira. O S&P500 encerrou o pregão com 4.323 pontos, alta de 1,52%.

O mercado havia sofrido uma grande queda no início da semana nos Estados Unidos. Além da preocupação com a inflação, o aumento dos casos do coronavírus e a circulação da variante Delta levantaram um novo receio sobre a desaceleração da recuperação da economia norte-americana. Os investidores aproveitaram o momento de queda para comprar ações por preços mais baixos.

OLHA SÓ: Principais notícias do mercado para terça-feira

A queda dos rendimentos do Tesouro norte-americano também animaram o mercado dos Estados Unidos. Isso levantou a expectativa de que a economia do país ainda vai se recuperar e que o aumento da taxa de juros não está projetada para esse ano.

Outro dado positivo que gerou o otimismo no mercado foi a divulgação dos resultados financeiros das empresas norte-americanas. Segundo a Refinitiv, das 41 companhias que participam do índice S&P500 que já disponibilizaram seus números, 90% superaram as estimativas.

No Brasil, com a falta de notícias sobre o cenário político nacional por causa da recuperação de saúde do presidente Bolsonaro e do recesso no Congresso, o mercado tem se guiado pelas notícias internacionais e preços das commodities. O Ibovespa fechou com 125.401 pontos, alta de 0,81%.

Durante a tarde, o petróleo apresentou leve alta, mesmo com a Opep+ decidindo aumentar a produção de petróleo, o que favoreceu as ações da Petrobrás. O mercado deve permanecer focado no andamento do preço das commodities, analisando o impacto que isso traz para as empresas brasileiras.

Com esse cenário, o dólar fechou a R$ 5,23, queda de 0,35%.

Carol Proença é estudante de economia e especialista de investimentos certificada

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: