Day traders brasileiras falam sobre a falta de representatividade no setor e dão dicas para quem quer começar

Mulheres representam apenas 7% dos operadores de day trade no Brasil
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
Day traders brasileiras falam sobre a falta de representatividade no setor e dão dicas para quem quer começar
Day trade consiste na compra e venda de ações em um mesmo dia (Foto: Envato Elements)

“O day trade não é mega-sena. Você vai conseguir levantar capital, mas precisa saber o que está fazendo.” A frase é da day trader Renata Furtado, adepta das operações de compra e venda de ações no mesmo dia, uma modalidade de investimento de curtíssimo prazo que se pauta na análise técnica, ou seja, na avaliação da variação do ativo de forma rápida e precisa antes de vender ou comprar. Um setor no qual a presença feminina ainda é pouco expressiva.

Um estudo do SST, grupo de educação financeira, aponta que, entre 2020 e 2021, o número de day traders manteve-se inalterado: 93% dos operadores são homens e apenas 7% são mulheres. A pesquisa foi realizada com os quase 100 mil membros ativos e 300 mil seguidores da companhia nas redes sociais.

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

Segundo Renata, essa falta de representatividade feminina tem algumas explicações: da falta de informação à pressão nos relacionamentos. “A gente observa que as mulheres têm medo de operar, tanto que uma grande maioria coloca o dinheiro na mão do marido em vez de partir para o day trade”, explica. “E também falta conhecimento sobre o assunto, porque operar com compra e venda no mesmo dia precisa de muito estudo.”

Day traders brasileiras falam sobre a falta de representatividade no setor e dão dicas para quem quer começar
Day Trader Renata Furtado (Foto: Arquivo Pessoal)

Já para a day trader Vera Rocha, a explicação também passa por questões culturais. “Sempre foi o homem que mexeu com o dinheiro. Quando há educação financeira, ela é mais voltada ao público masculino. Historicamente, as profissões relacionadas a finanças são muito masculinas.”

Vera e Renata concordam em um ponto: apesar de a porcentagem de mulheres no day trade ser muito menor que a dos homens, elas são muito mais conscientes quando arriscam. Renata aponta que a mulher geralmente é mais disciplinada e Vera complementa dizendo que o público feminino é mais cuidadoso e protetivo ao arriscar. Segundo ela, os gráficos patrimoniais das mulheres que optam por esse tipo de investimento sobem de forma muito mais consistente do que os dos homens.

Day traders brasileiras falam sobre a falta de representatividade no setor e dão dicas para quem quer começar
Day Trader Vera Rocha (Foto: Arquivo Pessoal)

Ainda assim, as duas são um pingo em meio a um oceano masculino quando se trata de operações rápidas de ativos. Para entrar nesse território quase inóspito para o público feminino, elas precisaram estudar muito. Por isso, para as mulheres que querem começar no day trade, Renata aconselha que o primeiro passo seja buscar entender o mercado por meio de cursos e professores de confiança. “Muita gente vende o day trade com propagandas enganosas. Aquelas chamadas do tipo ‘opere pelo celular e ganhe dinheiro fácil’ são promessas que não condizem com a realidade”, explica. 

Vera concorda e vai além. “Prepare-se bastante e analise sua situação. Saiba se você tem condições, inclusive emocionais e psicológicas, para operar dessa forma.” A especialista se refere à grande e rápida oscilação de dinheiro inerente à modalidade. Ainda assim, Renata ressalta que os riscos estão na maioria das categorias de investimentos, mas, no caso do day trade, é importante lembrar que ele é controlado, principalmente com um estudo capaz de apoiar a tomada de decisão.

Além disso, ambas apontam a necessidade de criar uma rotina para trabalhar com essas operações. “Vejo muita gente que não opera todos os dias, mas é muito importante sentar, observar e analisar o mercado antes de fazer qualquer compra ou venda”, explica Renata. 

LEIA MAIS: Com juros mais baixos para as mulheres, banco digital ELLEBANK é lançado no Brasil

Vera, também alinhada à essa lógica, destaca que para fazer um day trade eficiente é essencial acompanhar o dia a dia do mercado. “Ter um histórico em mente sobre como as ações geralmente se comportam ajuda a se localizar dentro desse negócio”, explica.

“A internet trouxe um mundo de possibilidades, em todas as áreas. Se você se interessa pelo mercado financeiro, tem a possibilidade de operar ações ou mesmo fazer day trade nos Estados Unidos direto do conforto da sua casa, por exemplo. O importante mesmo é ter autoconhecimento, saber o que cada um quer para si e entender os desafios”, finaliza Vera.

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: