MEI: tudo o que você precisa saber sobre o modelo empresarial

Simplificada, categoria oferece benefícios como isenção de tributação e acesso à previdência social
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
Formalização é rápida e pode ser feita online (Foto: FreePik)

Seja entre empreendedores, seja entre autônomos, quase todo mundo já ouviu falar sobre o Microempreendedor Individual (MEI). A sigla se refere a um modelo empresarial simplificado que costuma ser adotado por quem começa um negócio ou por aqueles que desejam sair da informalidade. 

Uma vez concluído, o cadastro fornece ao profissional um CNPJ, além dos direitos e obrigações comuns às pessoas jurídicas. Dessa forma, torna-se possível emitir notas fiscais e contribuir para a previdência social. Somado a isso, a consultora contábil Dora Ramos ressalta que a formalização permite um planejamento mais aprofundado das finanças da empresa. “A principal vantagem de já começar a empreender com o MEI  é estruturar o funcionamento do negócio, separando as contas pessoais das empresariais”, afirma. 

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

Apenas no primeiro semestre de 2021, cerca de 1.654.167 novos MEIs foram abertos no Brasil, segundo a consultora de crédito Serasa Experian. Isso significa que, a cada dois segundos, um novo negócio é regulado no país. 

Quem pode ser MEI?

Grande parte dos pequenos empreendedores e dos profissionais autônomos se enquadram nos pré-requisitos para se tornar MEI. Entre eles, os principais pontos são ter um faturamento limitado a R$ 81 mil ao ano (ou R$ 6.750 ao mês), além de se encaixar na lista de atividades previstas pela lei, como comerciantes independentes, manicures, motoboys,  professores particulares, artesãos e etc. Veja a lista completa clicando aqui. 

Além disso, o cadastrante não pode ter participação em outras empresas, seja como sócio, administrador ou titular. O modelo também permite a contratação de apenas um empregado para o auxílio do negócio. 

Pensionistas e servidores públicos federais em atividade ficam de fora do modelo, podendo haver variações conforme as legislações estaduais. Já se o empreendedor for estrangeiro, será necessário possuir visto permanente no Brasil. 

Quais as vantagens?

Além da facilidade do cadastro (detalhada a seguir), o maior atrativo do MEI é a isenção dos principais tributos federais, incluindo imposto de renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL. Por ser uma modalidade de baixo custo mensal, os empreendedores e autônomos ficam encarregados de pagar apenas o Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), cujo valor varia de R$ 56 a R$ 61 a depender da atividade realizada.

Outro benefício de regularizar a atuação profissional pelo modelo é o acesso à previdência social, ou seja, o direito à aposentadoria, seja por idade, invalidez, doença ou até auxílio-maternidade. Isso acontece porque a contribuição ao INSS já está incluída no DAS, da mesma forma que outras tarifas, como o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cobrado em atividades ligadas ao comércio e indústria, e o Imposto sobre Serviços (ISS), debitados dos prestadores de serviços. 

Quem possui MEI ainda costuma ter descontos em matérias-primas e produtos, assim como a possibilidade de abertura de uma conta bancária por  meio do CNPJ, o que acarreta em mais alternativas de créditos com juros mais baratos. 

LEIA MAIS: Vai abrir um negócio? Aprenda 55 termos que toda empreendedora deve saber

No caso dos autônomos, Dora ressalta que o cadastro no Microempreendedor Individual é importante para aumentar a credibilidade do profissional. “Eles passam a ter mais oportunidade de prestar seus serviços para grandes empresas, principalmente aquelas que demandam obrigatoriamente a emissão de nota fiscal”, explica. Outra vantagem para esse grupo é a comprovação de renda, explica a especialista, documento que facilita a obtenção de bens que poderão ser usados em benefício do próprio trabalho, como é o caso da compra de motos por entregadores, por exemplo.  

Como fazer o processo online

Além de rápida, a formalização do MEI acontece 100% online, assim como a emissão de notas fiscais e o pagamento da tarifa. Para realizar o cadastro, é só seguir o passo a passo:

  • Entre no site gov.br e crie uma conta. Se já tiver, faça o login;
  • Com o acesso liberado à plataforma, ingresse no Portal do Empreendedor
  • Em seguida, clique na opção “Quero ser MEI”;
  • Para finalizar, acesse a aba “Formalize-se” e preencha o cadastro até o fim. 

Entre as informações e documentos necessários para a abertura estão o CPF, CEP residencial e comercial, título de eleitor, número de celular e número das duas últimas declarações do imposto de renda. Não é cobrada nenhuma taxa durante o processo. 

Após a conclusão das etapas, o usuário já receberá o número do CNPJ. No entanto, quem for utilizar o modelo para emitir notas fiscais ainda deve realizar a inscrição municipal do MEI, processo que varia em cada município. 

Quem não conseguir finalizar a inscrição sozinho pode e deve procurar ajuda de um contador, destaca Dora Ramos, principalmente para evitar problemas fiscais que podem acabar em dívidas. “À medida que o negócio cresce, é ainda mais importante ter um consultor fiscal para que não fique aquela sensação de ‘e o que eu faço agora?’”, diz. 

VEJA TAMBÉM: MEI, Lucro Presumido, S.A., Ltda, EIRELI: entenda qual modelo e regime tributário são melhores para o seu negócio

Não me enquadro no perfil. E agora?

O MEI não é a única forma de regularizar os negócios. Outras modalidades, como Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI), Sociedade Limitada (LTDA), Empresa Individual, Sociedade Simples, Sociedade Limitada Unipessoal e Sociedade Anônima, também são opções para quem não se enquadra nos critérios necessários para a inscrição no Microempreendedor Individual. 

Nesses casos, o profissional deve procurar entender quais são os tributos devidos em cada tipo de empresa, bem como os pré-requisitos e as vantagens de cada um. 

Outro ponto importante é que aqueles que já forem inscritos no MEI e, por algum motivo, ultrapassarem o valor de faturamento anual previsto, devem realizar a transferência de categoria por meio da Receita Federal. Caso não seja feita a mudança no tempo determinado, o portador do CNPJ terá que realizar um pagamento retroativo a depender da situação. 

Existe em tramitação, atualmente, um Projeto de Lei Complementar (PLP) que propõe o aumento de R$ 81 mil para R$ 130 mil a receita bruta anual permitida para enquadramento como Microempreendedor Individual em 2022. A proposta, que tramita na Câmara dos Deputados, ainda autoriza o MEI a contratar até dois funcionários. O projeto será analisado pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços; Finanças e Tributação; e Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). Em seguida, irá para o Plenário da Câmara.

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: