Fed sobe juros em 0,5% e iniciará redução do balanço em 1º de junho

O Federal Reserve estabeleceu a meta de sua taxa básica num intervalo entre 0,75% e 1% em uma decisão unânime
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

O banco central dos Estados Unidos elevou, hoje (04), sua taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual, o maior aumento em 22 anos, e disse que começará a reduzir sua carteira de títulos no próximo mês como mais um passo na batalha para reduzir a inflação.

O Federal Reserve estabeleceu a meta de sua taxa básica num intervalo entre 0,75% e 1% em uma decisão unânime, com a probabilidade de mais aumentos nos custos de empréstimos de magnitude talvez semelhante à frente.

Apesar da queda no Produto Interno Bruto (PIB) nos primeiros três meses do ano, “os gastos das famílias e o investimento fixo das empresas continuam fortes. Os ganhos de emprego têm sido robustos”, disse o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) em comunicado, ao final de dois dias de reunião de política monetária em Washington.

A inflação “continua elevada” com a guerra na Ucrânia e novos lockdowns contra o coronavírus na China ameaçando manter a pressão elevada. “O Comitê está altamente atento aos riscos de inflação.”

O comunicado disse que o balanço do Fed, que saltou para cerca de 9 trilhões de dólares conforme o banco central tentava proteger a economia da pandemia de Covid-19, poderá cair em 47,5 bilhões de dólares por mês em junho, julho e agosto, e a redução avançará para até 95 bilhões de dólares por mês em setembro.

As autoridades do Fed não divulgaram novas projeções econômicas após a reunião desta semana, mas os dados desde o último encontro do colegiado, em março, deram poucos sinais de que a inflação, o crescimento salarial ou um ritmo rápido de contratações começaram a desacelerar.

Os mercados de ações dos EUA subiam após o anúncio, enquanto os rendimentos dos títulos do governo pouco mudaram. O dólar enfraquecia modestamente em relação a uma cesta de moedas dos principais parceiros comerciais.

Os futuros de taxas de juros continuaram a refletir as apostas de que o Fed elevará os juros para a faixa de 3% a 3,25% até o final do ano, de acordo com a ferramenta FedWatch do CME Group, um ritmo que incluiria vários ajustes de 0,50 ponto percentual, ou mais, na taxa.

O Fed “também sinalizou uma trajetória agressiva de novas altas na taxa de juros, reiterando o desejo recentemente declarado de elevar os juros para seu nível neutro o mais rápido possível”, disse Michael Brown, chefe de inteligência de mercado da Caxton em Londres. “No entanto, dada a quantidade significativa de elevações já precificadas no mercado…a barra para uma surpresa ‘hawkish’ (agressiva contra a inflação) sempre esteve alta.”

(Com Reuters)

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: