Como fazer o prêmio de R$ 53 milhões da Mega-Sena durar para sempre

Valor pode render até R$ 212 mil ao mês e servir de herança para as próximas gerações, aponta especialista
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
Mesmo no caso de quem acorda milionário, ainda é preciso ter certo controle sobre os gastos

Uma em 50.063.860. Essa é a chance do apostador levar para casa a bolada de R$ 53 milhões que será sorteada pela Mega-Sena amanhã (21), no Espaço da Sorte. 

Mas, ao contrário do que muita gente pensa, para garantir uma vida tranquila com essa quantia não basta ter um bom palpite e acertar os números. Mesmo no caso de quem acorda milionário, ainda é preciso ter certo controle sobre os gastos, alertam os especialistas.

Apesar de a cautela parecer exagero diante de uma quantidade tão grande de dinheiro, o que muitas vezes impede que uma fortuna dessa proporção se prolongue entre as gerações é o mau uso dos recursos. De acordo com a educadora financeira e cientista comportamental Lai Santiago, isso acontece devido à tendência natural do ser humano de procurar recompensas no presente – o que inclui as famosas despesas com “ostentações”. 

“Quando pensa em como gastar um prêmio de loteria, a maioria das pessoas fala sobre viagens internacionais, roupas e carros importados, mansões e coberturas na beira da praia…Ou seja, tudo o que se deve fazer para terminar essa história do jeito que você começou: pobre”, afirma.

LEIA MAIS

Segundo a especialista, para piorar o quadro do ponto de vista das finanças, esse instinto ainda pode ser combinado com a vontade de mudar completamente a realidade em que se vive, adicionando à conta novas despesas.

“De repente torna-se indispensável ter o carro mais caro do mercado. Só que a pessoa ignora que isso vai representar um aumento significativo no gasto mensal da família com seguro, gasolina e IPVA. No caso de um apartamento em um bairro nobre, por exemplo, ainda há o custo de manutenção, valor do condomínio exorbitante e a imobilização de um patrimônio”, explica. 

Assim, se o vencedor optar por realizar, de uma só vez, todos os seus desejos de vida, ele pode acabar andando em círculos – e chegando ao futuro com um orçamento bem mais apertado do que deveria caso tivesse optado por um planejamento financeiro organizado.   “Mais importante do que ganhar é manter esse dinheiro”, pontua Luciane Galeski, assessora de investimentos da SVN.

Quando bem utilizada, quantia pode virar herança

Sendo assim, o primeiro passo para evitar o desfalque desnecessário na fortuna é criar uma estratégia de gasto, destaca a assessora. Para isso, é aconselhável recorrer a um especialista financeiro que consiga conciliar as demandas pessoais e familiares sem vieses emocionais, além de um olhar voltado ao longo prazo. “Caso  o vencedor não queira estudar finanças, esse profissional será responsável por traçar um plano a partir das necessidades e sonhos daquele indivíduo”, afirma. 

Segundo as especialistas, uma das formas de gerir esse tipo de quantia é utilizando o rendimento mensal da fortuna como teto de gastos. No caso do prêmio de R$ 53 milhões, o valor ficaria por volta de R$ 212 mil ao mês, tendo como base o retorno líquido no longo prazo de uma carteira de investimento diversificada. “Se a família fizer uma boa alocação deste valor, significa que ela pode retirar todo mês os R$ 212 mil, gastar como quiser e, ainda assim, continuar com o montante de R$ 53 milhões intactos. É como se o dinheiro fosse eterno”, explica Lai. 

No caso de um investidor conservador, calculadora a educadora, o prêmio pode ser aplicado em uma carteira composta por produtos de crédito privado (40%-50%), Selic (30%-35%), IPCA (10%-15%) e renda variável (15%-5%). Já para quem prefere uma carteira mais arrojada, a educadora financeira sugere uma divisão composta por renda variável (40%-30%), IPCA (30%-15%), crédito privado (10%-25%), Selic (10%-20%), produtos alternativos (5%) e off-shore (5%). Essa variedade de ativos é essencial para garantir a segurança da quantia inicial, destaca Luciane. 

Outro ponto a ser levado em consideração são os empréstimos para amigos e familiares. “Parafraseando Leandro Karnal, se você não quer perder amigos e dinheiro, não empreste. Resolva todas as suas questões antes de pensar nisso”, insiste a assessora. Além disso, a alta da inflação também acaba diminuindo o poder de compra do montante, ponto que deve ser levado em consideração na hora de estabelecer os gastos do rendimento. 

“Se usado com moderação e acompanhado de um bom planejamento sucessório, esse dinheiro pode passar para as gerações seguintes e garantir a tranquilidade financeira de todos”, garante Lai.

Veja, a seguir, as sugestões de investimentos da especialista para quatro diferentes perfis de investidores:  

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: