Vendas no varejo do Brasil sobem acima do esperado em março

Setor fecha primeiro trimestre com ganhos mas ainda sem recuperação difundida entre as atividades
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

O setor varejista do Brasil cresceu mais do que o esperado em março e fechou o primeiro trimestre com ganhos, mesmo diante da inflação elevada no país que corrói a confiança e a renda do consumidor.

No entanto, apesar de o setor ter registrado avanço nos três primeiros meses do ano, a recuperação ainda não é difundida entre as atividades, segundo o IBGE.

As vendas no varejo tiveram em março ganho de 1% na comparação com o mês anterior, contra expectativa em pesquisa da Reuters de avanço de 0,4%.

O dado informado hoje (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) leva o setor a encerrar o primeiro trimestre com ganho de 1,9% na comparação com os três meses anteriores, resultado mais alto nessa base de comparação desde o segundo trimestre de 2021 (+2,2%).

VEJA TAMBÉM

“A trajetória vinha sendo claudicante, irregular. Esses três meses de alta significam um trimestre forte, embora os crescimentos ainda não sejam homogêneos entre todas as atividades”, explicou o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

O resultado de março deixa o setor 2,6% acima do patamar pré-pandemia, de fevereiro de 2020.

Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o crescimento foi de 4,0%, ante uma previsão de alta de 2,10%.

“O avanço do emprego faz com que o rendimento aumente e ajuda o desempenho das vendas. Mas a inflação mais elevada é responsável para colocar uma trava no comércio, em algumas atividades em especial”, completou.

Entre as oito atividades pesquisadas, seis tiveram ganhos na comparação com fevereiro. Os destaques foram equipamentos e material para escritório, informática e comunicação, com ganho de 13,9%, e outros artigos de uso pessoal e doméstico, cujas vendas subiram 3,4% –nesse caso, houve boa contribuição das lojas de departamento.

“As grandes varejistas começaram a ensaiar uma retomada das lojas físicas, com expansão principalmente no Nordeste e Norte, mas em todo o país”, disse Santos.

O comércio varejista ampliado, que inclui veículos, motos, partes e peças e material de construção, apresentou alta de 0,7% das vendas. O avanço de 2,2% de materiais de construção compensou o recuo de 0,1% em veículos.

Incluindo o varejo ampliado, o IBGE explicou que seis setores estão abaixo do patamar pré-pandemia, e quatro acima.

(Com Reuters)

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: