Menor pressão cambial deve continuar em maio após real exibir melhor abril em 5 anos

Mês que se encerra hoje foi o segundo melhor em desempenho para o real entre as principais moedas
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

dólar fechou hoje (30) com a alta diária mais forte em mais de um mês, em meio ao fortalecimento global da moeda por realização de lucros, mas nada que aqui no Brasil impedisse a divisa de registrar a maior queda para abril desde 2016, com alívio no plano político-fiscal doméstico e também nos temores de inflação nos Estados Unidos.

O real teve em abril o segundo melhor desempenho entre as principais moedas, depois de passar boa parte do ano liderando as perdas.

OLHA SÓ: Conheça o fundo FOF e saiba como ele pode ajudar na conquista pela independência financeira

O dólar subiu 1,81% nesta sexta, para R$ 5,4315, maior valorização diária desde o último dia 24 de março (+2,20%). Houve ampla oscilação neste pregão: a cotação variou de R$ 5,3363 (+0,03%) a R$ 5,45 (+2,16%). No exterior, o índice do dólar saltava 0,75%, a caminho do maior ganho desde fevereiro.

Na semana, o dólar no Brasil caiu 1,19%, aprofundando as perdas em abril para 3,53%, na primeira queda mensal em 2021.

A desvalorização foi a mais forte desde novembro do ano passado (-6,82%) e, considerando apenas abril, a mais acentuada desde 2016 (-4,34%). Nos últimos quatro anos o dólar havia ganhado força nos meses de abril.

Com as perdas do mês, o dólar reduziu a alta no ano para 4,62%. Com isso, o real agora divide com o sol peruano o posto de quinto pior desempenho em 2021, uma melhora de posição, já que durante boa parte do ano a moeda brasileira ficou na lanterna.

Perspectivas

“Continuando a consolidação sobre as reformas, a tendência do dólar é de mais queda”, disse Fabrizio Velloni, economista-chefe da Frente Corretora.

A discussão sobre reformas havia ficado de lado nos últimos tempos em meio ao recrudescimento da crise sanitária e a debates sobre mais despesas para controlar a pandemia, os quais levaram no começo de março à aprovação de uma PEC Emergencial que causou no mercado um mal-estar posteriormente agravado pelo impasse do Orçamento.

E AINDA: Dólar tem alta contra real nesta 6ª, mas caminha para fortes perdas semanais e mensais

Mas a solução da crise orçamentária alcançada em abril voltou a abrir espaço para queda do dólar –desde a máxima de 29 de março (R$ 5,7681), o dólar acumulou baixa de 5,84%.

“O governo mudou a postura com o Congresso, a forma de negociação, entendeu a necessidade de costurar as reformas. Por ora não vejo motivos para esse novo modus operandi mudar”, acrescentou Velloni.

A chance de continuidade da trégua na taxa de câmbio em maio é amparada ainda pela expectativa de um pano de fundo global mais tranquilo para mercados emergentes, com a trégua na pressão na renda fixa norte-americana, o que ajudou os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA (Treasuries) a deixar as máximas em 14 meses alcançadas em março.

Na teoria, quanto mais altas as taxas dos Treasuries, mais apelo ganha o dólar, já que a maior demanda pelo papel se traduz em mais fluxos denominados na moeda norte-americana.

O Morgan Stanley acredita que o provérbio “sell in May and go away” (venda em maio e saia do mercado, na tradução livre) deve ser menos pronunciado nos mercados de câmbio e juros de países emergentes neste ano, depois de uma fraca performance desses ativos no primeiro quadrimestre do ano.

LEIA AQUI: 4 passos para começar a investir em 2021

O banco espera alguma estabilização de curto prazo no real, após a aprovação do Orçamento 2021 amenizar “ruído fiscal” e conforme o Banco Central deve continuar a subir os juros.

E o Rabobank projeta que o dólar ficará em R$ 5,45 ao fim de maio, o que aponta estabilidade em relação ao fechamento desta sexta. Em dezembro, a estimativa é que a moeda ficará mais barata, valendo R$ 5,35, com alta das commodities e menor temor sobre reflação global.

Em nota, os estrategistas Mauricio Une e Gabriel Santos destacam expectativa de melhora nos ingressos de recursos ao país, com aumento das estimativas para exportações neste ano, o que ajudará o Brasil a registrar superávit em conta corrente de US$ 2,0 bilhões, segundo cálculos do banco que incluem ainda aumento de 70% (US$ 20,1 bilhões) nos investimentos diretos no país (IDP), para US$ 54,3 bilhões de dólares.

“Isso deve em parte levar a uma apreciação do real até o fim do ano”, disseram os estrategistas.

(com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: