Dólar recua ante real com foco na super quarta

Moeda norte-americana acumula queda de 2,89% contra a brasileira até agora em 2021
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

O dólar recuou frente ao real na sessão de hoje (15), com toda a atenção dos participantes do mercado voltada às decisões de política monetária do Brasil e dos Estados Unidos que serão anunciadas na quarta-feira.

O dólar à vista teve queda de 0,61%, a R$ 5,0414 na venda.

OLHA SÓ: Moody’s projeta alta de 4,9% do PIB do Brasil em 2021

Nas primeiras horas de pregão desta terça-feira, a moeda norte-americana havia tocado R$ 5,1060 na máxima intradiária, alta de 0,66%. Jefferson Rugik, da Correparti Corretora, escreveu que a movimentação foi resultado de cautela dos investidores na parte da manhã, logo compensada por um fluxo de entrada de recursos que ajudou o dólar a tocar R$ 5,382 na mínima da sessão, queda de 0,67%.

Dominando o foco dos mercados, o Federal Reserve e o Banco Central do Brasil deram início a seus respectivos encontros de política monetária nesta terça e anunciarão suas decisões no dia seguinte, na chamada “super quarta”.

Nos Estados Unidos, a maior parte dos investidores aposta que as prováveis pressões inflacionárias “transitórias” vão evitar que o Fed sinalize uma mudança imediata na política monetária, mas algumas autoridades do banco central norte-americano já começaram a reconhecer que estão mais próximos de um debate sobre quando retirar parte de seu estímulo.

Enquanto isso, no Brasil, uma pesquisa da Reuters com economistas mostrou que Banco Central provavelmente anunciará o terceiro aumento consecutivo de 0,75% na taxa Selic ao final de sua reunião, e possivelmente vai indicar um ciclo mais agressivo à frente ao abandonar seu compromisso com uma “normalização parcial” da política monetária.

Sidnei Nehme, economista e diretor-executivo da NGO Corretora disse em nota que o “correto equacionamento da relação câmbio/juros” pode ser um fator que levará o dólar a romper o patamar psicológico de R$ 5.

“Temos a convicção de que o dólar ficará entre R$4,60/4,80, ou até menos, se o investidor estrangeiro, em especial o especulativo, vier fazer ‘carry trade’ no nosso mercado, aproveitando a alta do juro”, explicou.

O “carry trade” é uma estratégia que consiste na tomada de empréstimos em moeda de país de juro baixo (iene japonês, por exemplo) e compra de contratos futuros da divisa de juro maior (como o real). O investidor, assim, ganha com a diferença de taxas.

E AINDA: Ações europeias fecham em alta com Fed em foco

Além da perspectiva de aumento de juros no cenário doméstico, vários analistas têm citado dados promissores sobre a atividade econômica como um fator de impulso para a moeda brasileira, principalmente devido ao alívio de preocupações sobre a relação dívida/PIB.

“A expectativa de aumento na relação dívida/PIB foi revertida (…), o que diminuiu o risco fiscal e acelerou o processo de valorização do real”, disseram analistas da Genial Investimentos em nota. “A menos que o Fed decida começar a reduzir as compras de ativos financeiros no mercado antes do esperado, o que parece pouco provável, a valorização do real deverá persistir.”

O dólar acumula queda de 2,89% contra o real até agora em 2021.

(com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: