Assine nossa newsletter

5 maneiras de desenvolver a inteligência emocional

Especialista em desenvolvimento humano explica a importância de aprimorar a habilidade, cada vez mais exigida, inclusive na vida profissional
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
5 maneiras de desenvolver a inteligência emocional
Segundo Goleman, a inteligência emocional é a capacidade de identificar os nossos sentimentos e os dos outros (Foto: Envato Elements)

“A inteligência emocional veio para tornar a vida mais leve e para aprimorar as relações das pessoas.” A frase é da especialista em desenvolvimento humano e membro da Sociedade Brasileira de Coach Samantha Alvarenga, que explica que o conceito, vindo da psicologia, permite compreender as próprias emoções e as emoções dos outros. “É entender os nossos gatilhos e aprender a lidar com as situações que nos desafiam”, diz.

O próprio autor por trás do conceito, Daniel Goleman, explica a IE da seguinte forma: “É a capacidade de identificar os nossos sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e de gerir bem as emoções dentro de nós e nos nossos relacionamentos”.

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

De forma objetiva, a IE atua nas respostas aos desafios do dia a dia. “Uma pessoa que não tem inteligência emocional e é fechada no trânsito, por exemplo, acaba não levando desaforo para casa. Já uma pessoa que desenvolveu a inteligência emocional tende a parar, pensar e escolher que decisão tomar. Uma pessoa inteligente emocionalmente sempre vai ter escolha”, explica Samantha.

Por isso, desenvolver a inteligência emocional acabou se tornando um diferencial importante em todos os campos da vida, pessoais e profissionais. Segundo pesquisa do PageGroup, companhia especializada em recrutamento, a IE é justamente uma das habilidades comportamentais mais valorizadas pelos líderes de grandes empresas da América Latina.

E, como disse Samantha, essa habilidade faz parte do processo de autoconhecimento e é essencial para uma vida mais equilibrada. “Uma pessoa que não tem inteligência emocional sofre muito, se vitimiza, não encontra soluções para os seus problemas e não enxerga as situações como elas são”, explica a especialista. 

5 maneiras de desenvolver a inteligência emocional
Samantha Alvarenga é especialista em desenvolvimento humano e membro da Sociedade Brasileira de Coaching (Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação)

A partir do momento que a IE é desenvolvida, passamos a compreender o cenário no qual estamos inseridos e as habilidades que precisam ser incrementadas, melhorando as relações e encurtando o caminho para o alcance dos nossos objetivos.

Dada a importância que  a inteligência emocional vem ganhando nos últimos anos, listamos, a seguir,  cinco maneiras para aprimorar a habilidade:

  1. Não reprima os sentimentos

Samantha aponta que, desde pequenos, aprendemos que inveja, raiva e ciúmes são emoções ruins. Porém, a especialista explica que é importante entender esses sentimentos como normais. “Essas emoções fazem parte do dia a dia de todo ser humano”, ressalta.

LEIA MAIS: Grammy 2022: Quem são as mulheres indicadas na principal premiação da indústria musical

Mas, se esses sentimentos são cotidianos a ponto de interferir de forma negativa na vida das pessoas, é importante poder contar com a inteligência emocional para não reprimi-los. Para começar a desenvolver a IE nesse sentido, a ideia é compreender os gatilhos por trás de cada uma dessas emoções. “Fazer essa reflexão é o primeiro passo”, ensina Samantha.

Um sentimento que ela sempre ouve nas mentorias que oferece é o medo. “Não existe ‘não ter medo’, afinal ele é essencial para a nossa sobrevivência. Mas, mais uma vez, é importante entender os gatilhos por trás dessa emoção e criar estratégias para driblar esse bloqueio que o medo pode causar e que pode, muitas vezes, ser fruto de situações imaginárias”, explica a especialista. 

  1. Não leve para o lado pessoal

Um fator importante, senão essencial, da IE é a empatia, que, de forma simples, é compreender emocionalmente o outro. Samantha aponta a importância de se lembrar constantemente de que nem tudo que vem de outra pessoa é sobre você, e sim sobre a visão de mundo em que ele ou ela está inserido. 

“É importante entender que a outra pessoa também está inserida em um contexto. Se uma pessoa faz alguma coisa ou emite certa opinião, ela está falando sobre a visão de mundo dela. Lembrar disso traz muito mais leveza para o dia a dia”, conta a especialista.

  1. Investigue seus valores

Como parte do processo do autoconhecimento, para desenvolver a inteligência emocional é também necessário entender seus valores. “Compreender a sua visão de mundo, suas crenças e até relembrar o que você ouviu e vivenciou quando era criança é muito importante, uma vez que essa bagagem tem influência em quem você é hoje”, explica. “Quando uma pessoa tem esse tipo de conhecimento, fica muito mais fácil lidar com os sentimentos.”

OLHA SÓ: Ranking de melhores restaurantes da América Latina tem 11 estabelecimentos comandados por mulheres

  1. Entenda que você sempre tem escolha

Como já explicado por Samantha, uma pessoa com inteligência emocional sempre possui escolhas diante dos desafios. Para ela, entender que é possível parar e analisar a situação é essencial. “A IE aparece principalmente em momentos decisivos, quando pensamos no que podemos fazer a partir do que sentimos.”

Para ela, sair de um ambiente conflituoso quando nos sentimos desequilibrados emocionalmente é essencial para que a situação se resolva de forma mais pacífica. Fazer essa escolha é um sinal de que sua inteligência emocional está se desenvolvendo.  

  1. Trabalhe todas as áreas da vida

Para Samantha, é importante ter um momento dedicado a cada área da vida todos os dias. “Para mim, as mais importantes são carreira, finanças, relacionamentos, saúde e espiritualidade. Cada pessoa é uma, mas exerce vários papéis socialmente, então é importante estar sempre conectado a todas as áreas diariamante”, relata.

A especialista ainda vai um pouco além quando o assunto é finanças. “Para desenvolver uma inteligência emocional nesse sentido, é necessário trabalhar a mentalidade em relação ao dinheiro. Pensar qual era sua visão de mundo sobre dinheiro quando criança, se há algum bloqueio em relação a isso, se você se sente merecedora de ganhar dinheiro ou não… Todas essas reflexões nos ajudam a entender nossa mentalidade sobre as finanças”, finaliza.

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter