Assine nossa newsletter

Na despedida de Formiga da Seleção Brasileira, relembre os principais feitos da jogadora com a camisa verde e amarela

Após 26 anos defendendo o Brasil dentro das quatro linhas, atleta deixa legado de recordes e lutas em uma modalidade ainda pouco reconhecida
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
Na despedida de Formiga da Seleção Brasileira, relembre os principais feitos da jogadora com a camisa verde e amarela
Miraildes Maciel Mota começou a jogar futebol aos 12 anos e se despede da Seleção Brasileira aos 43 como uma das jogadoras mais longevas da história (Foto: Divulgação/CBF)

No dia 3 de março de 1978, a capital baiana dava as boas-vindas àquela que viria a se transformar numa das maiores jogadoras brasileiras de futebol de todos os tempos – um ano antes de o esporte deixar de ser proibido para mulheres no país. Com seu um metro e sessenta e dois de altura, Miraildes Maciel Mota começou a fazer gols aos 12 anos de idade. Hoje, aos 43, já rodou o mundo defendendo equipes que vão do PSG, da França, ao São Paulo ao longo de mais de 30 anos de carreira. 

Mulher, negra e nordestina. Como se não bastasse uma barreira, Miraildes ultrapassou todas elas e se tornou a jogadora mais longeva da história das Copas do Mundo. Mais do que isso: o simples fato de entrar em campo é como se ela colocasse abaixo uma série de preconceitos, inclusive contra a resistência em uma modalidade esportiva ainda tão desvalorizada. Dentro das quatro linhas, com a camisa amarela da Seleção Brasileira, Miraildes é meio-campista. Em suas costas, lê-se: Formiga, 8.

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

Hoje (25), em disputa do Torneio Internacional em Manaus, contra a Índia, a jogadora, que é praticamente um sinônimo de futebol feminino brasileiro ao lado de Marta e Cristiane, despede-se da Seleção Brasileira. Se Miraildes tivesse um currículo, incluiria as vitórias em três edições da Copa do Brasil (1997, 2012 e 2013), quatro do Campeonato Paulista (1997, 2008, 2012, 2014 e 2015), três da Copa Libertadores (2011, 2013 e 2014), na Copa da França (2017-18) e no Campeonato Francês (2020-21). 

Em homenagem a uma das jogadoras de futebol mais talentosas do Brasil, relembre, a seguir, os grandes feitos de Formiga vestindo a amarelinha:

Sete edições da Copa do Mundo

Formiga se tornou, em 2019, na Copa do Mundo Feminina da França, a única atleta entre homens e mulheres a participar de sete mundiais. A jogadora defendeu a Seleção Brasileira na Suécia, onde o Brasil ficou com a nona posição, em 1995; nos Estados Unidos, em 1999, quando o Brasil conquistou o 3o lugar, e em 2003, terminando o torneio em quinto lugar; na China, em 2007, mundial em que o time conquistou o vice-campeonato; na Alemanha, em 2011, quando a Seleção repetiu o resultado da Copa de 2003; no Canadá, 2015, eliminada nas oitavas de final; e na França, 2019, também eliminada pelas donas da casa no primeiro mata-mata.

Foi, inclusive, no mundial da França, que Formiga, aos 41 anos, conquistou o feito de ser a jogadora mais velha a entrar em campo numa Copa do Mundo Feminina. Além disso, no campeonato anterior, no Canadá, a atleta se tornou a jogadora mais velha a marcar um gol em uma Copa, quando tinha 37 anos, três meses e seis dias de vida.

Sete edições da Olimpíada

Em 2021, ao ser convocada pela técnica da Seleção Brasileira Pia Sundhage, Formiga se juntou a uma lista pra lá de exclusiva, composta por uma única integrante: ela é a única jogadora a ter disputado todas as edições dos Jogos Olímpicos desde a estreia do futebol feminino, em Atlanta, em 1996. 

Na despedida de Formiga da Seleção Brasileira, relembre os principais feitos da jogadora com a camisa verde e amarela
Formiga fez parte das duas Seleções que conquistaram as medalhas de prata que a modalidade possui nas Olimpíadas (Foto: Divulgação/CBF)

Além dessa edição, Formiga participou dos Jogos realizados em Sydney, em 2000; Atenas, em 2004; Pequim, em 2008; Londres, em 2012; Rio de Janeiro, em 2016; e Tóquio, em 2020. Em 2021, aos 43 anos de idade, a atleta quebrou o recorde de jogadora de futebol (também entre homens e mulheres) mais velha a participar de uma Olimpíada. 

LEIA TAMBÉM: Joga a bola no meu pé: a difícil trajetória das mulheres no futebol brasileiro

Nas edições de Atenas e Pequim, Formiga fez parte da equipe que conquistou as duas medalhas de prata que a modalidade possui na competição.

Mais de 200 partidas

Foi em 2019, ao ultrapassar o jogador Cafu, que acumula 149 partidas disputadas pela Seleção Brasileira, que Formiga se consagrou como a atleta a vestir mais vezes a camisa amarela: foram mais de 200 partidas defendendo o Brasil, de amistosos à Copa do Mundo. Formiga passou mais tempo de sua vida fazendo parte da Seleção do que fora dela. 

Outros títulos

Formiga foi ouro em duas edições dos Pan-Americanos: em Santo Domingo, na República Dominicana, em 2003, e no Rio, em 2007. Também pela Seleção, foi vice-campeã nos Jogos de Guadalajara em 2011. 

Em 2016, a jogadora ganhou o prêmio Bola de Prata, que elege os melhores atletas do Brasileirão. A premiação anual do futebol brasileiro foi criada em 1970 pela revista “Placar” e hoje é organizada pela ESPN.

Jogo oficial de despedida

Neste 25 de novembro de 2021, Formiga se torna a primeira jogadora do futebol brasileiro a ganhar um jogo oficial de despedida. Nada mais simbólico do que isso, afinal, a atleta dedicou 26 anos de sua vida à Seleção Brasileira: sua primeira partida foi aos 17 anos. Para muitas gerações, é impossível pensar em uma equipe de futebol feminino sem Formiga.

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter