Mão na massa: testamos – e aprovamos! – 15 panetones feitos por marcas lideradas por mulheres

Dos tradicionais às versões mais incrementadas, tem opções para todos os gostos preparadas por confeiteiras que fizeram do empreendedorismo um estilo de vida
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
A EQL degustou 15 panetones feitos por mulheres (Foto: Nalu Formagio)

Depois do Papai Noel e das árvores ornamentadas, o panetone talvez seja o maior símbolo da aproximação do Natal. Embora a iguaria tenha origem italiana, sem precisão absoluta sobre o lugar ou a data de sua criação, atualmente não há nada mais brasileiro do que constatar que o ano está acabando graças aos panetones, chocotones e todas as demais variações nas prateleiras dos supermercados e padarias. Dados sobre o mercado comprovam isso.

Atrás apenas da Itália, o Brasil é o segundo maior player global de exportação de panetones. Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, quando os imigrantes italianos começaram a chegar às capitais brasileiras, os pães doces começaram a fazer sucesso entre a população, que logo avistou uma oportunidade de mercado na produção da guloseima. Em 1948, os panetones já eram vendidos por todo o canto, caindo rapidamente no gosto popular. 

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

Algumas décadas depois, a expectativa da Associação Brasileira da Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos Industrializados (Abimapi) é que a categoria cresça 5% em faturamento em 2021 na comparação com 2020, movimentando R$ 890 milhões entre novembro deste ano e janeiro do próximo, e 2% em volume, totalizando 41 mil toneladas. No ano passado, o setor faturou cerca de R$ 848 milhões e foram vendidas 40 mil toneladas de produtos.

O saldo positivo é reflexo do esforço da indústria para inovar e conquistar cada vez mais os lares brasileiros. Mais do que grandes empresas produtoras de panetone, hoje o mercado é recheado de pequenos e médios confeiteiros e padeiros que oferecem opções deliciosas e criativas para o final do ano. Em conversas com profissionais do setor, é possível encontrar produtores que começaram na pandemia ou que encontraram a fórmula do sucesso em plena crise. 

Essas histórias deixam a temporada de panetones ainda mais saborosa. Por isso, a Elas Que Lucrem decidiu conhecer as mulheres que estão por trás da produção da iguaria. Mais do que degustar e avaliar o sabor, a massa e a aparência dos produtos – o que foi feito por meio da atribuição de notas de 1 a 5 para cada categoria e da soma da média geral -,  nossa equipe também fez questão de contar um pouco sobre a história dessas mulheres: algumas confeiteiras de berço, outras empreendedoras natas que fizeram o negócio crescer para além de uma produção caseira. 

A seleção de produtos, assim como as histórias das produtoras, é diversa, com opções tradicionais, recheadas e até veganas. Veja, a seguir, a avaliação de cada uma delas e a história de suas idealizadoras: 

D. Marie Sucrier, de Guilit Wasserstein e Debora Maria Soares 

Chocotone de caramelo da D. Marie Sucrier (Foto: Nalu Formagio)

Nota:

Preço: R$ 178 (1,5kg) ou R$ 72 (300g)

D. Marie Sucrier é a abreviação de Debora Maria, a confeiteira da marca, acrescida de Sucrier, que significa açúcar em francês. De certa forma, o nome da empresa representa sua essência: a paixão de Debora por doces. Um amor que sempre existiu, mas que, até o ano passado, era explorado apenas como um hobby, de forma caseira – até Guilit Wasserstein enxergar potencial no gosto de sua mãe. “Ela fez até curso na Cordon Bleu. É apaixonada por confeitaria desde sempre. Como eu sou formada em design de produto, dei a ideia de unirmos esforços para criarmos uma marca de doces juntas”, conta a jovem, que já havia tentando empreender, mas passou por dificuldades durante a pandemia. A D. Marie Sucrier, no entanto, gerou resultados positivos desde o início. Em plena crise sanitária, a marca começou a crescer e ganhar seu espaço no mercado. “Trabalhamos juntas. Ela faz os doces enquanto eu cuido do marketing, do design de embalagens, da pesquisa de tendências e da conversa com fornecedores e clientes. Nossa parceria realmente está dando certo.” 

Além da preocupação com o sabor, as delícias desenvolvidas pela marca são decoradas como joias. “Temos uma identidade visual bem forte. Nossos produtos tem glitter, acabamento e tinta comestível. Não é um panetone padrão.” A unidade que chegou na EQL, por exemplo, tinha uma casca dourada que brilhava conforme a luz – era chocolate branco com o acabamento artístico citado por Guilit. Quanto ao sabor, a empreendedora ressaltou a preocupação com a suavidade do dulçor, o que também foi percebido na degustação. Recheado com brigadeiro de caramelo, castanhas de caju caramelizadas e lascas de chocolate branco, o sabor é equilibrado e conversa perfeitamente com a crocância da castanha de caju. A massa é leve e macia, o que faz do panetone uma experiência agradável e saborosa. 

Serviço: compra pelo link.

Carmella Patisserie, de Isabella Barros

Chocotone com frutas cristalizadas e gotas de chocolate da Carmella Patisserie (Foto: Divulgação)

Nota: 4,7

Preço: R$ 149 (1,1kg)

Nem só de confeiteiras o mercado de panetones sobrevive. A Carmella Patisserie, por exemplo, nasceu em 2016 graças à união entre a organizadora de eventos Isabella Barros e o chef confeiteiro Lucca Guilger, amigos de infância que decidiram juntar os seus talentos para criar uma doceria em São Paulo. Especialista em marketing de luxo, Isabella é parte essencial do sucesso do empreendimento, que conta com 44,8 mil seguidores no Instagram e mais de 60 opções açucaradas para pronta-entrega na loja física, localizada em Pinheiros. Este ano, parte do lucro com as vendas de chocotones e panetones será doada à Fundação Amor Horizontal, que oferece apoio para crianças e jovens em situação de vulnerabilidade. 

Para a degustação da EQL, a marca enviou uma versão tradicional com cobertura de chocolate belga: o melhor dos dois mundos para quem gosta do clássico panetone com frutas cristalizadas, mas não abre mão de um bom chocolate. A iguaria tem uma textura macia e sabor leve, sem adição de sabor ou cheiro artificial. Não é nada enjoativo. O famoso “menos é mais”. 

Serviço: encomendas pelo link.

LEIA MAIS: 5 maneiras de desenvolver a inteligência emocional

Mag Market, de Tássia Magalhães

Panetone de goiabada e chocolate branco da Mag Market (Foto: Nalu Formagio)

Nota: 4,7

Preço: R$ 130 (500 g)

Inaugurada em 2020, em meio à pandemia, a confeitaria Mag Market é liderada pela chef Tássia Magalhães. Natural de Guaratinguetá, no interior de São Paulo, a empresária iniciou sua história com a gastronomia aos 19 anos, quando se formou no Hotel Escola Senac Campos do Jordão. Quatro anos depois, ela já comandava os fogões do badalado Pomodori, restaurante italiano fundado por Jefferson Rueda. Tássia também é sócia da Riso.e.Ria, casa paulistana especializada em arroz, do italiano Fabbrica Ristorante, e do  Unno Masseria, especializado em massas. 

O recheio inesperado de goiabada e chocolate branco transformou a degustação do panetone da marca em uma deliciosa surpresa para quem é fã de combinações bem brasileiras. Recheado na medida certa – com uma goiabada nada artificial -, ele ainda conta com uma massa macia, fruto da fermentação 100% natural. 

Serviço: compra pelo link.

Mariana Junqueira Cake Designer, de Mariana Junqueira 

Chocotone brigadeiro rosa da Mariana Junqueira (Foto: Nalu Formagio)

Nota: 4,7 

Preço: R$ 368 (1,5 kg)

Uma das mais prestigiadas confeiteiras da alta sociedade paulistana, Mariana Junqueira batizou sua luxuosa marca de doces com seu próprio nome. Suas criações têm o objetivo de se assemelharem a joias, com ingredientes e embalagens premium. Entre seus principais clientes corporativos estão marcas como Cartier, Louis Vuitton, Tiffany & Co. e Alexandre Birman, entre outros.

À primeira vista, o panetone de brigadeiro rosa parece um sonho de infância. Acomodado em uma lata natalina, a iguaria tem uma cobertura cor de rosa que chama a atenção mesmo à distância. Uma vez aberto, espalha um cheiro licoroso de açúcar – o que torna impossível recusar um pedaço. Já na boca, ele é mesmo a bomba doce e suculenta que aparenta, lembrando os saudosos ‘bichos de pé’ que decoram as mesas de festas de aniversário. 

Serviço: compra pelo link.

Maria Brigadeiro, de Juliana Motter

Chocotone de brigadeiro da Maria Brigadeiro (Foto: Nalu Formagio)

Nota: 4,6 

Preço: R$ 110 (800g) 

Apaixonada por chocolate desde os sete anos, Juliana Motter decidiu largar, em 2007, uma carreira de uma década como jornalista para se dedicar exclusivamente à confeitaria. Na época, a Maria Brigadeiro se consolidou como a primeira casa do país especializada na forma artesanal da iguaria.

Como diz o nome, a estrela do panetone é o recheio de brigadeiro. Abundante e cremoso, ele lembra o gosto do doce caseiro feito pelas avós. A massa também não decepciona, com gotas de chocolate e uma cobertura com 45% de cacau. O resultado final é um doce equilibrado, sem grandes surpresas, mas que cumpre bem aquilo a que se propõe. 

Serviço: compra pelo WhatsApp 11 94974-0048.

Dany Dolce, de Daniele Ribeiro Vernizzi

Chocotone de avelãs da Dany Dolce (Foto: Nalu Formagio)

Nota: 4,5 

Preço: R$ 130 (800g)

Aos 32 anos, ao mesmo tempo em que atuava como advogada, Daniele Ribeiro Vernizzi decidiu estudar confeitaria. Embora estivesse estabelecida na carreira e a ideia tivesse começado como um despretensioso hobby, a busca pela produção de bolos e doces cheirava a caminho certo. Ela não imaginava, no entanto, que se apaixonaria cada vez mais pelo ofício enquanto aprendia as técnicas. Entregou-se aos ensinamentos e fundou a Dany Dolce, uma confeitaria artesanal que já tem sete anos de mercado. Nos últimos três, começou a produzir panetones. 

“Desde criança eu tenho lindas lembranças do Natal em família, com todos empenhados na preparação da ceia. Lembrando disso, eu percebi que não tinha panetone no catálogo da Dany Dolce e decidi que precisava remeter àqueles momentos felizes com um produto que tivesse sabor de Natal”, recorda a empreendedora, que conciliou a confeitaria com o trabalho jurídico até o ano passado, quando deixou o direito para trás.

Atualmente, a Dany Dolce tem oito sabores de panetone no portfólio. Para a EQL, a marca enviou o produto mais pedido e elogiado pelos consumidores: o panetone de avelãs. Os pedaços do fruto no meio do creme de avelã fazem com que o recheio se torne crocante. É uma explosão de sabores: doce na medida certa, com um recheio que conversa com a textura e o gosto da massa. 

Serviço: encomendas no e-mail [email protected].

VEJA TAMBÉM: 7 dicas para construir um networking poderoso

Danika, de Daniela Khzouz

Trio de chocotones da Danika (Foto: Nalu Formagio)

Nota: 4,5 (palha italiana)

Preço: R$ 99, trio de mini chocotones (200g cada)

Daniela Khzouz cresceu em meio a mulheres que gostam de cozinhar. A cozinha, para ela, sempre foi sinônimo de acolhimento familiar. Na escola, entre alunos que queriam cursar administração, direito ou medicina, Daniela já pensava em estudar gastronomia. No meio do processo, no entanto, a rotina corrida dos grandes restaurantes a desanimou, fazendo com que começasse a sonhar com o seu próprio negócio. Para isso, teve que adiar um pouco o seu sonho na gastronomia e começar a estudar administração de empresas. “Nesse período, eu comecei a trabalhar na área de marketing da empresa do meu pai, mas não amava o que estava fazendo. Minha felicidade era cozinhar para as minhas amigas e familiares no final de semana. Eu saí da cozinha, mas ela nunca saiu de mim”, revela. 

Naturalmente, as amigas começaram a pedir para que Daniela as ensinasse a cozinhar. Sendo assim, mais do que jantares de final de semana, os encontros viraram aulas, que começaram a se popularizar entre conhecidos. “Comecei a fazer isso quase todos os finais de semana. Um amigo contava para o outro e o negócio foi crescendo.” Em 2015, aos 23 anos, viu a estrutura que começou como uma brincadeira entre amigas se transformar em uma empresa, batizada de Danika. Atualmente, Daniela continua dando aulas de gastronomia e, paralelamente, comanda a produção de doces. Os panetones, por exemplo, entraram no portfólio há quatro anos. 

Para a EQL, a confeiteira enviou o seu trio de mini chocotones. Cada um tem 200 gramas e um sabor diferente: palha italiana com chocolate belga; brigadeiro de ninho e cereal crocante com chocolate branco; e doce de leite cremoso e brownie. Nossa equipe decidiu provar o chocotone de palha italiana – uma ótima escolha, diga-se de passagem. O produto havia sido feito naquela mesma manhã, então estava completamente fresco – tanto a massa, quanto o recheio. A ideia do tamanho é perfeita para aqueles incapazes de resistir a uma única opção.

Serviço: encomendas no link.

Isabela Akkari, de Isabela Akkari

Chocotone de gingerbread da Isabela Akkari (Foto: Nalu Formagio)

Nota: 4,1 

Preço: R$ 218 (890g) 

Proprietária da primeira confeitaria saudável de São Paulo, Isabela Akkari é referência no mercado de doces livres de glúten, lactose, refinados e conservantes artificiais. Além disso, o portfólio ainda se estende para opções veganas, low-carb e zero açúcar. Formada em gastronomia natural pelo The Natural Gourmet Institute, em Nova York, ela uniu sua paixão pelos sabores e pelos negócios para criar a marca que leva seu nome. 

O panetone da marca degustado pela EQL foi o de “gingerbread”, palavra inglesa para os famosos biscoitos natalinos de canela e açúcar. A semelhança entre os dois está principalmente no toque de especiarias do recheio de doce de leite, que praticamente domina todo o interior do pão. A combinação também acaba cortando um pouco o dulçor exagerado do creme, o que torna a experiência mais agradável – sem o típico “arrepio” que nos acomete quando os índices de insulina chegam ao topo. A massa, apesar de ter gotas de chocolate, fica em segundo plano devido à consistência um pouco mais rígida do que a média. 

Serviço: encomenda pelo telefone (11) 5096-1915 ou WhatsApp (11) 98400-0740.

Isabela Honda Confeitaria, de Isabela Honda 

Chocotone de brigadeiro e doce de leite da Isabela Honda (Foto: Nalu Formagio)

Nota: 4,1 (brigadeiro) 

Preço: Panetone e Chocotone – R$ 47 (480g e 450g, respectivamente) 

            Chocotones Trufados – R$ 75 (780g) 

Aos 18 anos, enquanto cursava arquitetura, Isabela Honda começou a fazer cupcakes para vender na faculdade e fazer uma renda extra. “Eu testava muitas receitas e sempre dava de presente para todo mundo. Aos poucos, as pessoas me procuravam querendo comprar para festas”, recorda a confeiteira. Em 2014, recebia tantos pedidos que decidiu abrir um CNPJ e fundar a Isabela Honda Confeitaria – até então, um trabalho paralelo à faculdade. Após um ano, no entanto, Isabela decidiu deixar a arquitetura para trás e seguir carreira na gastronomia. Começou a estudar o assunto, trabalhou com renomados chefs e, durante todo esse tempo, continuou fazendo suas encomendas. Em 2019, decidiu se dedicar integralmente à marca, aumentando o portfólio de produtos e mergulhando em novas receitas, como as de panetone. 

Para a degustação da EQL, Isabela enviou todas as apostas da marca para a temporada: panetone de frutas, chocotone com gotas de chocolate e dois sabores de chocotone trufado (doce de leite com canela e brigadeiro). Todos os produtos se destacam pela leveza da massa, que se mostra muito fresca, sem ingredientes artificiais. As versões trufadas conversam perfeitamente com essa massa, explorando o dulçor com equilíbrio, já que a confeiteira também utiliza o chocolate amargo para equilibrar o açúcar do brigadeiro e do doce de leite. Além disso, as especiarias – como a canela – são exploradas para que o produto se diferencie de outras opções do mercado. 

Serviço: encomendas pelo WhatsApp no número (11) 91038-9816.

SAIBA MAIS: Ranking de melhores restaurantes da América Latina tem 11 estabelecimentos comandados por mulheres

Mica Crafted Chocolates, de Michelle Kallas

Panetone de pistache e azeita da Mica (Foto: Nalu Formagio)

Nota: 4 

Preço: R$ 210 (1,1kg) 

Apesar de parecer uma galeria de arte, acredite, a Mica Crafted Chocolates é uma confeitaria. Por lá, o design vem antes dos doces, o que explica os bombons pintados à mão com ajuda de pincéis, esponjas e pistolas. O negócio foi criado em 2018 por Michelle Kallas, que um ano antes decidiu sair da área do direito para fazer um curso de chocolates artísticos em Las Vegas. 

O panetone de pistache com azeite é um tiro certeiro para quem quer sair da zona de conforto do chocolate ou das frutas cristalizadas. Menos doce do que as opções chocólatras, ele dá bastante destaque ao gosto da noz, que acaba balanceada com a presença da massa e da cobertura de chocolate belga. A cremosidade do recheio – que está presente em quantidade abundante – é outro ponto positivo, finalizando com chave de ouro a experiência proporcionada pela confeitaria.    

Serviço: encomendas pelo link.

Healthy Bites Atelier, de Victória Della Manna

Chocotone de doce de leite da Healthy Bites Atelier (Foto: Nalu Formagio)

Nota: 3,75 

Preço: R$ 145 (1kg)

Em 2018, após ter o pai diagnosticado com diabetes, a jornalista Victória Della Manna começou a se incomodar com a baixa oferta de sobremesas sem açúcar no mercado. Parecia que nada que tinha disponível o deixava com água na boca ou com uma vontade genuína de repetir. A jovem, que sempre foi apaixonada por gastronomia e tinha como hobbie fazer receitas para amigos e familiares, decidiu começar a criar produtos saudáveis para agradar o pai. Aos poucos, a iniciativa caseira começou a chamar a atenção de conhecidos, que ligavam para Victória fazendo encomendas. A partir disso, ainda em 2018, ela decidiu dar início à sua própria confeitaria e fundou a Healthy Bites Atelier, que hoje já conta com três lojas físicas e uma equipe de 35 colaboradores – staff que conta com apenas um homem. 

Low carb, sem glúten, açúcar ou lactose, os panetones de Victória são ideais para quem tem alguma restrição alimentar – seja por condição médica ou por estilo de vida. A opção enviada para a EQL foi o chocotone de doce de leite, que surpreende por não ter açúcar em sua composição. Embora seja possível notar diferenças entre um panetone sem e com glúten – visto que a textura fica um pouco mais esfarelenta e menos macia do que a versão tradicional – o dulçor do recheio de doce de leite é ideal para aqueles que não podem consumir açúcar. Feito com farinha de amêndoa e de coco, é possível sentir um pouco da essência artificial no produto, mas continua sendo uma opção animadora para aqueles que amam panetones recheados e precisam seguir um cardápio restritivo. 

Serviço: encomendas pelo WhatsApp (11) 99984-9187.

Chocolat Du Jour, de Cláudia e Patricia Landmann

Panetone Au Chocolat da Chocolat Du Jour (Foto: Nalu Formagio)

Nota: 3,5 

Preço: R$ 99 (500g)

Fundada por Claúdia Landmann durante os anos 1980, a Chocolat Du Jour é referência no mercado brasileiro de doces. Idealizada para ser um oásis do chocolate europeu em território nacional, a marca possui sua própria fazenda de cacau no sul da Bahia, além de colecionar prêmios das últimas edições do The Academy of Chocolate Awards, o principal da categoria. Atualmente, quem comanda o negócio são os filhos da fundadora, Patricia e Manoel Landman. 

Esqueça as versões ultra-recheadas e os sabores da última moda da confeitaria. O panetone da Chocolat Du Jour é clássico e vai direto ao ponto. Por conta disso, ele acabou dividindo as opiniões da redação. Enquanto alguns sentiram falta de algo a mais que o destacasse da lista, outros se concentraram na elegância do pão – simples e bem feito. 

Serviço: encomendas pelo link.  

Isabel Buk Patisserie, de Isabel Buk

Chocotone de brownie da Isabel Buk (Foto: Nalu Formagio)

Nota: 3,5 

Preço: R$ 208 (1,2kg)

Foi a partir da mudança dos próprios hábitos alimentares que Isabel Buk passou a se dedicar ao nicho da confeitaria saudável, oferecendo opções de doces refinados que, surpreendentemente, não levam grande parte dos ingredientes clássicos da cozinha tradicional, como o leite e o açúcar. Em 2017, no fim da faculdade de administração, a empreendedora passou a atender pedidos de colegas e vender suas criações low carb, dando o pontapé inicial para a fundação da patisserie. 

Apesar de ter formato e aparência de panetone, o pão natalino de Isabel Buk é praticamente idêntico a um brownie. Portanto, pode acabar decepcionando aqueles que procuram o gosto original do doce – e agradar na mesma medida aqueles que não simpatizam tanto com o sabor clássico da massa. Também acaba sendo uma opção interessante para consumidores com restrições alimentares, já que não leva glúten, lactose e refinados. Além da aparência primorosa (impossível não reparar na delicadeza do selo dourado), o panetone tem um recheio é úmido e abundante, perfeito para os chocólatras de plantão. 

Serviço: encomendas pelo link.

ACESSE TAMBÉM: Na estreia de Maju Coutinho no “Fantástico”, relembre outras 12 mulheres que já estiveram à frente do programa

Natural e Ponto, de Carol Potenza 

Panetone e chocotone da Natural e Pronto (Foto: Nalu Formagio)

Nota:

Preço: R$ 52 (250g)

Na época da escola, Carol Potenza levava mini cenouras e chá de erva doce na lancheira. Sua família sempre se importou em incentivar o consumo de alimentos saudáveis e orgânicos. Em uma época em que havia menos opções de comidas do gênero nos supermercados comuns, sua avó e sua mãe criavam receitas marcantes, como a de granola, que sempre agradou os conhecidos da família. “Todo mundo dizia para vendermos até que, um dia, eu levei isso a sério e decidi abrir a minha própria empresa”, conta Carol. Em 2015, quando o negócio começou, a empreendedora vendia apenas a “Granola da Vovó”, como foi batizada, e conquistou resultados positivos com a receita familiar. A partir da aceitação do público, a empreendedora começou a se aprofundar na culinária saudável, conhecer a fundo o veganismo e lançar outros produtos para quem segue o estilo de vida. Em um crescimento orgânico, logo a Natural e Ponto já estava com um catálogo repleto de barras de chocolate, granolas com chocolate e panetones – tudo vegano, é claro. 

Carol se orgulha de ter conquistado o selo de aprovação da Sociedade Vegetariana Brasileira e o selo Eu Reciclo. Para ela, esse é o verdadeiro significado de empreender com propósito. Feitos com ingredientes como chocolate vegano zero açúcar, farinha de castanha de caju, fécula de batata doce e farinha de arroz, os panetones e chocotones da marca se diferem da iguaria clássica pela textura da massa, que é um pouco mais seca por conta da ausência de ovos e leite. No entanto, a opção é ideal para aqueles que querem curtir um sabor natalino sem abandonar o estilo de vida vegano.

Serviço: encomendas pelo WhatsApp (11) 94177-8585.

Zulcare, de Marina Anders

Panetone de gotas de chocolate ao leite da Zulcare (Foto: Nalu Formagio)

Nota: 3 

Preço: R$ 115 (500g)

Criada em 2020 por Mariana Anders, a Zulcare nasceu com o propósito de divulgar a “arte de adoçar”. Na época, a então advogada resolveu deixar a profissão para fazer algo que genuinamente a inspirasse. Pouco tempo depois, deu início a cursos de formação prática em gastronomia e sommelier, consolidando-se como confeiteira de mão cheia. Ao valorizar um processo simplificado – mas não simplista -, a marca trabalha com referências brasileiras para agradar os clientes. 

Na degustação da EQL, o panetone de gotas de chocolate ao leite revelou um teor de dulçor bem mais moderado do que os demais. O que mais chamou a atenção do doce foi justamente o seu lado amargo, que acabou predominando na boca. Com um recheio discreto, ele pode ser uma boa opção para quem prefere sabores mais naturais e encorpados, sem tanto apelo dos recheios cremosos. 

Serviço: compra pelo link. 

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: