Assine nossa newsletter

6 femtechs brasileiras que você precisa conhecer

Mercado de empresas que usam a tecnologia para oferecer serviços e produtos exclusivamente femininos deve movimentar US$ 50 bi até 2025 no mundo
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

Com metade da população mundial formada por mulheres, é cada vez maior o número de negócios focados em soluções de saúde específicas para elas. Quando de base tecnológica, essas empresas são batizadas de femtechs, termo que surgiu em 2013, quando a empreendedora dinamarquesa Ida Tin fundou o aplicativo de controle menstrual Clue.

Segundo a PitchBook, empresa de dados, pesquisa e tecnologia, as femtechs geraram receita global de US$ 820 milhões em 2019. No entanto, como as mulheres são responsáveis por 80% dos gastos com saúde, de acordo com um levantamento da BCC Research, o potencial do setor é muito maior. Segundo a Frost & Sullivan, este mercado pode movimentar US$ 50 bilhões até 2025.

OLHA SÓ: Conheça a empreendedora que desistiu da estabilidade do serviço público para investir no sonho

Com a pandemia de Covid-19, as preocupações com a saúde foram elevadas a um novo patamar, e a tecnologia passou a ser vista, muito mais do que antes, como um facilitador, tanto para ajudar a resolver problemas nessa área, quanto para quebrar paradigmas, dando às mulheres maior controle sobre seus corpos e, consequentemente, suas vidas. O termo também se expandiu e, nos últimos meses, já há quem o adote para classificar negócios que usam a tecnologia para atender necessidades específicas das mulheres para além da saúde e bem-estar.

Veja, a seguir, seis delas:

Elas que Lucrem, fundada por Francine Mendes

abre_financas_francine-mendes_05nov2021_divulgacao
Francine Mendes, CEO da Elas Que Lucrem (Foto: Divulgação)

A Elas que Lucrem surgiu com o objetivo de igualar o número de homens e mulheres na bolsa de valores e em cargos de liderança. Para isso, criou uma plataforma que inclui um site totalmente focado em conteúdo para o público feminino e uma plataforma de cursos online sobre o mercado financeiro, a EQL Educar. A empresa também lançou o primeiro MBA de educação emocional e financeira especificamente para mulheres.

Feel, fundada por Marina Ratton e Dani Junco

abre_financas_marina-ratton_05nov2021_divulgacao (1)
Marina Ratton, fundadora da Feel (Foto: Divulgação)

A Feel é uma marca de cosméticos focada no bem-estar íntimo das mulheres, com o diferencial de usar apenas ingredientes naturais. A empresa conta, por exemplo, com um lubrificante à base de plantas que aumenta o conforto feminino durante a relação sexual, além de sabonetes e óleos hidratantes.

Gestar, fundada por Lettycia Vidal

abre_financas_lettycia-vidal_05nov2021_divulgacao
Lettycia Vidal, fundadora da Gestar (Foto: Divulgação)

Após se interessar pelo parto domiciliar, Lettycia Vidal começou o seu projeto de femtech com o objetivo de conectar profissionais da área de saúde materno-infantil a gestantes e mães. Atualmente, a plataforma conta com mais de 100 profissionais de saúde materno infantil que são assinantes e podem expor sua agenda e seus serviços.

Onelady, fundada por Délia Beranice Zefiro

abre_financas_delia-berenice-zefiro_05nov2021_divulgacao (1)
Délia Berenice Zefiro, fundadora da OneLady (Foto: Divulgação)

Plataforma de moda feminina que conecta consumidoras com marcas fundadas por mulheres, permitindo um movimento de produtos 100% vindo de empreendedoras. Foi a vencedora da categoria femtech do programa “Batalha das Startups”, reality show da Record News, quando ganhou R$ 1 milhão para acelerar suas operações.

Oya Care, fundada por Stephanie Von Staa Toledo

abre_financas_stephanie-von-staa_05nov2021_divulgacao (1)
Stephanie Von Staa Toledo, fundadora da Oya Care (Foto: Divulgação)

A empresa surgiu com o objetivo de auxiliar as mulheres no controle sobre o próprio corpo e criou um produto que ajuda na saúde e no empoderamento do público feminino. A femtech oferece um exame de hormônio antimülleriano, indicador utilizado para mensurar a fertilidade da mulher. Dessa forma, é possível fazer um planejamento mais eficiente da gestação e também prevenir problemas de saúde.

Ziel Biosciences, fundada por Caroline de Farias e Daniela Cornelio

abre_financas_caroline-brunetto_05nov2021_divulgacao
Caroline Brunetto de Farias (Foto: Divulgação)

A startup é responsável pelo desenvolvimento do SelfCervix, um coletor caseiro de material para testes de detecção do HPV. O papilomavírus humano é o principal fator de risco para o câncer de colo de útero — terceira maior causa de morte por neoplasia entre as mulheres brasileiras, com 265 mil óbitos por ano, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). 

Carol Proença é estudante de economia e especialista de investimentos certificada

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Participe da live Meu Primeiro Investimento

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter