Reforma administrativa pode ampliar a desigualdade entre homens e mulheres no serviço público

Dados do Atlas do Estado Brasileiro de 2017 mostram que elas recebem salários menores em todos os poderes
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

Em coluna publicada pelo portal UOL, no último dia 30 de junho, foi destacado que a nova proposta de reforma administrativa (PEC 32/2020), que tramita atualmente na Câmara dos Deputados, pode aumentar as desigualdades dentro do funcionalismo público, principalmente entre homens e mulheres.

A publicação, de autoria das Pesquisadoras da Rede Brasileira de Mulheres Cientistas, explica que, assim como no mercado de trabalho privado, o setor público também reproduz tradicionalmente as dificuldades enfrentadas pelas mulheres na sociedade. Por exemplo, quanto mais próximo dos cargos de poder, menor a representatividade feminina.

VEJA: Principais notícias do mercado para quinta-feira

Dados do Atlas do Estado Brasileiro de 2017 mostram que as mulheres recebem salários menores que os homens em todos os poderes: no Executivo, recebem 24,7% menos que homens, no Legislativo, 12%, e no Judiciário, 6,2%. E mesmo com salários proporcionalmente inferiores nos três Poderes, as mulheres eram maioria nos quadros de servidores públicos no Poder Legislativo (61,1%) e Judiciário (53,15%) em 2019. 

“A presença feminina também é maioria nos quadros de servidores estaduais (55,95%) e municipais (65,60%). Ao mesmo tempo, elas ocupam poucas posições de poder no serviço público. Nos últimos 35 anos, a diferença de salários entre mulheres e homens ficou 50% maior no Executivo”, diz a publicação.

O artigo detalha que as desigualdades não estão na pauta da PEC 32 e que algumas de suas medidas podem, inclusive, aumentá-las. Isso porque a proposta atual afeta a maior parte dos servidores públicos que ocupam os cargos operacionais e de atendimento ao público, enquanto deixa de fora aqueles que recebem salários mais altos e regalias, como os membros dos poderes Legislativo e Judiciário. 

“A questão é que estes cargos de menor nível hierárquico mais afetados pela reforma são majoritariamente femininos, como profissionais da educação, saúde e assistência, enquanto os quadros que ficam fora da reforma são majoritariamente masculino, como a magistratura.”

Se por um lado, a sociedade reconhece a necessidade de diminuir as diferenças entre homens e mulheres, nas mais diferentes esferas, a coluna das pesquisadoras da Rede Brasileira de Mulheres Cientistas lamenta que o poder público brasileiro atue no caminho inverso. “Nesse sentido, é inadmissível que tenhamos uma reforma administrativa capaz de aprofundar as desigualdades de gênero no serviço público.”

(Com informações do UOL)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: