Nina Silva é eleita a mulher mais disruptiva do mundo

CEO do Movimento Black Money e da fintech D’Black Bank, brasileira foi premiada em cerimônia do Women in Tech Global Awards em Portugal
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
Divulgação
Nina Silva é executiva da área de tecnologia há mais de 20 anos (Foto: Divulgação)

De acordo com o dicionário, disruptivo é o ato de romper ou alterar o curso convencional de um processo. No mundo empreendedor, o adjetivo é elogio para aqueles que inovam e buscam gerar impacto com seus trabalhos. Para os organizadores do Women in Tech Global Awards, a brasileira Nina Silva é um grande exemplo de disrupção. Ontem (2), na 4a edição do evento, que ocorreu em Portugal, a CEO do Movimento Black Money e da fintech D’Black Bank foi premiada como a mulher mais disruptiva do mundo. 

Presente em seis continentes, a organização realizou a primeira premiação no Brasil em outubro deste ano, onde Nina já havia sido consagrada na mesma categoria em âmbito nacional. A competição global, no entanto, contava com mais de 1.000 nomeações. Inicialmente, o comitê internacional selecionou 35 finalistas, que passaram por uma votação interna até chegar à decisão final.

LEIA MAIS: Conheça a empreendedora que desistiu da estabilidade do serviço público para investir no sonho

“Para além de um título, esse é um momento de representação de um povo que ainda está invisível. Sabemos que existem vários corpos negros fazendo trabalhos fenomenais na área de tecnologia, ciência, finanças e outros mercados dominados por homens brancos. Me sinto porta-voz de todas essas pessoas”, disse Nina ao receber o prêmio. 

Executiva da área de tecnologia há mais de 20 anos, sua motivação para a fundação do Movimento Black Money foi criar um espaço de incentivo e empoderamento de jovens negros no mundo dos negócios Com um marketplace próprio, o projeto conecta empreendedores e consumidores para vendas online de diversos lojistas. Já a startup D’BlackBank oferece serviços financeiros para a população negra. 

Mais do que alinhada aos objetivos de Nina, a Women in Tech está em atuação desde 2018 e tem como foco a promoção de eventos que promovem parcerias e dão visibilidade à causa e a arrecadação de fundos para a democratização de acesso a equipamentos e bolsas de estudo. Hoje, a organização já conta com 200 voluntárias e 70 mil membros. 

“Espero ser ponte para que nós tenhamos a oportunidade de assistir nossos iguais em todos os espaços, criando autonomia e fazendo do mundo um local de oportunidades para todos”, finalizou a brasileira.

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Participe da live Meu Primeiro Investimento

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: