Empreendedorismo materno: 6 dicas para começar o próprio negócio

Conciliar carreira e família ainda é um desafio para a maior parte das mães que optam por empreender
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
Mais da metade das empreendedoras brasileiras têm filho (Foto: Pexels)

Gerenciar o próprio negócio pode ser um trabalho árduo, assim como ser chefe de família. No entanto, a junção dessas duas responsabilidades é a realidade de uma grande parcela das mulheres brasileiras. 

Uma pesquisa realizada pela Rede Mulher Empreendedora (RME), com mais de 1.300 proprietárias de negócios, revelou que cerca de 55% delas têm filhos. Além disso, 44% das entrevistadas afirmaram que são as principais provedoras de suas famílias. 

Já um levantamento realizado pelo Sebrae Minas apontou que sete a cada dez mulheres buscaram o empreendedorismo depois de se tornarem mães. A principal vantagem da modalidade, segundo elas, é a flexibilidade de horário, já que pelo menos 63,3% dessas mulheres também são responsáveis pelos afazeres domésticos do lar, como limpeza e preparo das refeições.

Para Petra Studholme, chief marketing officer da fintech alt.bank, a decisão de empreender requer mais do que determinação no caso dessas brasileiras. Afinal, diferente de quem sonha com o próprio negócio, muitas vezes elas são motivadas pela necessidade. “Dar o primeiro passo para abrir o próprio negócio pode ser desafiador, especialmente quando se está sozinha à frente de uma família. É algo que, além de muita paixão e determinação, exige conhecimentos técnicos a que nem todas têm acesso”, explica.

LEIA MAIS

Por outro lado, além da falta de capacitação, as mães empreendedoras também foram mais prejudicadas durante a pandemia de Covid-19. Um levantamento promovido pela ONU Mulheres apontou que o número de mulheres com filhos de até dez anos à frente de seus próprios negócios caiu mais de 8% no segundo semestre de 2020. Segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), o retrocesso pode ser atribuído ao fechamento de creches e escolas.

Frente a esse cenário, Petra elaborou 6 dicas para as empreendedoras que buscam conciliar a prosperidade dos negócios e na família:

Faça a lição de casa

De acordo com a especialista, um dos primeiros passos antes de tirar seu negócio do papel e colocar para rodar é realizar uma cuidadosa pesquisa de mercado. “Esse estudo é o que vai permitir que você entenda seus clientes e suas reais  necessidades – e onde você obterá informações importantes sobre seu mercado-alvo. É ele quem lhe trará insights para o crescimento efetivo do negócio”, afirma. 

Além do público-alvo, a pesquisa pode também incluir o que fazem os principais concorrentes desse novo negócio que está nascendo, assim como os principais pontos fracos e fortes. “Estudar o mercado e os concorrentes poderá lhe mostrar, inclusive, se existem demandas não atendidas atualmente nas quais o seu negócio pode atuar para preencher a lacuna.”

Preste atenção às contratações

Não importa o tamanho da empresa que está sendo criada: quando é chegado o momento de contratação, é importante que a nova empreendedora tenha ao seu lado uma equipe sólida, que possa ajudá-la a atingir seus objetivos. “Contratar as pessoas certas pode ser um atalho para o rápido crescimento do projeto. Para isso, é importante buscar profissionais que tenham habilidades que completem as suas e que possam trazer novas ideias”, explica a CMO.

Em um segundo momento, saber delegar é algo que pode ser decisivo, pois é o que trará a tranquilidade para que a empreendedora possa se concentrar em trabalhos mais estratégicos, com melhor desempenho e desenvolvimento de uma cultura empresarial. 

Nunca ignore o funil de vendas

Este é um conceito muito familiar entre profissionais de marketing digital. O funil é o caminho que o potencial cliente percorre desde o momento em que ele entra no site ou loja até o fim de sua jornada de compra. “Quando o consumidor tem o primeiro contato de interesse com a sua marca, ele está no topo do funil. Quando ele finaliza a compra, passou pelo trajeto com sucesso. Como empresária, você deve proporcionar boas experiências durante toda a jornada para que o cliente se mova dentro deste processo da melhor maneira possível”, diz Petra. 

Apostar em cupons de descontos e disponibilizar todas as informações que ajudam na escolha são ótimas estratégias para atrair e fidelizar a clientela.

Vale ainda ressaltar que este é um tema complexo e que se aprofundar em estudos de marketing digital em geral pode ser uma oportunidade de trazer insights para o novo negócio.  

Não tenha medo de pedir ajuda

A especialista explica ainda que é muito importante que a nova empreendedora tenha ao seu redor um grupo de pessoas que possa apoiá-la nos momentos de dificuldade, sejam amigos ou familiares. “Não tenha receio de pedir apoio a quem está disposto a prestá-lo. Muitas vezes a mãe solo pode precisar de alguém que cuide de seus filhos por algumas horas, ajude nas tarefas domésticas ou, ainda, divulgue seus produtos nas redes sociais”, ressalta Petra.

Use a maternidade a seu favor

Em uma sociedade onde os homens ainda são maioria frente aos grandes negócios, pode parecer que ser mãe já é uma desvantagem desde os primeiros passos. No entanto, para Petra isso não é uma realidade. “Ser mãe e, principalmente, solo traz consigo uma série de habilidades que são muito desejadas no mundo empresarial, como práticas multitarefa, gerenciamento de orçamento limitado e criatividade.” 

É importante ressaltar que essas são competências interessantes não somente para donas de negócios, mas mesmo para candidatas a colaboradoras. “Quem não gostaria de ter em seu time uma pessoa com as habilidades de resolução de problemas que tem uma mãe solo?”, questiona. 

Tenha paciência

Por último, mas não menos importante, vale lembrar que um negócio até se tornar bem-sucedido – na grande maioria das vezes – precisa de tempo para crescer e amadurecer. “Em média, podemos dizer que uma empresa leva até três anos para começar a trazer lucro de fato. Até que o negócio cresça e prospere de verdade, poderão ser mais de dez anos de muito trabalho”, alerta Petra. 

“Mais uma vez, quando a ansiedade surgir, o apoio de amigos e familiares pode ser fundamental para colocar a cabeça no lugar. Por vezes, pode parecer que tudo está indo muito devagar – e talvez, frente às suas necessidades, esteja mesmo. Mas não desista, porque você não irá se arrepender dos frutos que poderá colher lá na frente.”

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Conheça a plataforma de educação financeira e emocional EQL Educar. Assine já!

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: