Confiança do consumidor no Brasil tem recuperação em abril, mas cautela permanece

Resultado é reflexo da redução do pessimismo das famílias sobre os próximos meses
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02
JOB_03_REDES_SOCIAIS_EQL_AVATARES_QUADRADOS_PERFIL_v1-02

A confiança do consumidor brasileiro apresentou recuperação em abril em meio à redução do pessimismo sobre os próximos meses, mas o agravamento da pandemia continua pressionando, informou hoje (28) a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) avançou 4,3 pontos em abril, para 72,5 pontos, resultado que representa recuperação de 68,2 pontos no mês anterior.

OLHA SÓ: O que é a taxa Selic e como ela influencia na sua vida financeira

Mas, segundo a coordenadora das sondagens, Viviane Seda Bittencourt, essa recuperação precisa ser avaliada com cautela.

“A melhora foi influenciada pela diminuição do pessimismo das famílias em relação aos próximos meses mas sem nenhuma percepção de recuperação da situação atual dado o cenário de agravamento da pandemia e dificuldades enfrentadas pelas famílias”, disse ela.

“O comportamento cauteloso dos consumidores vem sendo mantido em relação aos gastos, fato justificado por fatores econômicos como: renda, emprego e aumento dos níveis de endividamento, mas também psicológicos, relacionados à incerteza em relação à saúde e a necessidade de isolamento social”, completou

No mês, o Índice de Situação Atual subiu 0,5 ponto, para 64,5 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) avançou 6,7 pontos, para 79,2 pontos.

E AINDA: Texto inicial da reforma tributária será apresentado em 3 de maio

O Brasil possui o segundo maior número de mortes por Covid-19 no mundo, abaixo apenas dos Estados Unidos, além da terceira maior contagem de casos confirmados de coronavírus, atrás dos EUA e da Índia.

Ontem, o país registrou 3.086 novos óbitos em decorrência da Covid, o que eleva o total de vítimas fatais da doença a 395.022.

(com Reuters)

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: