Assine nossa newsletter

Soberana Ziza expõe obras que resgatam história das mulheres negras de São Paulo

Mostras foram premiadas pelo Programa de Ação Cultural do governo do estado
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
Obras estão expostas na Galeria Choque Cultural e na Casa Pretahub

A artista Soberana Ziza abre duas exposições na capital paulista baseadas em uma pesquisa que desenvolve sobre a memória de mulheres negras na cidade. As mostras foram premiadas pelo Programa de Ação Cultural do governo de São Paulo e acontecem sob o título Mulheres-raízes da Conexão

As obras, fruto do trabalho da artista como muralista, se desdobraram em outras técnicas, como a da sublimação em tecido. Nelas, as mulheres, personagens importantes da cidade, aparecem conectadas à terra por raízes. “É a reconexão com o nosso ancestral. Essa base, essa rede, essa raiz fortalecida é o que vai ser um fortalecimento para o futuro”, explica a artista.

LEIA MAIS: EQL Indica: 7 dicas para o final de semana

Uma das mostras foi aberta na última sexta-feira (5) na Galeria Choque Cultural, na zona oeste da cidade. Ali, segundo a artista, podem ser vistos os trabalhos feitos a partir da pesquisa do bairro da Liberdade, na região central paulistana. Apesar de ter ficado conhecida nas últimas décadas pelas comunidades orientais, a região tem alguns principais marcos da trajetória da população negras na cidade.

Memórias

Um dos trabalhos de Ziza remete a ossadas encontradas nas imediações da Capela de Nossa Senhora dos Aflitos, construída no século 18, vizinha de um cemitério, de mesmo nome, desativado no século 19. A identificação de parte de uma guia dedicada ao orixá Ogum foi base para a composição de um mural feito em uma empresa situada ao lado do Elevado João Goulart, conhecido como Minhocão. “Pego essa conta azul e ilustro nessa grande empresa na mão dessa mulher, com o fundo azul que é o seu ancestral”, afirma Ziza.

Nos estudos sobre o bairro, a artista chegou à história de Madrinha Eunice, fundadora da Escola de Samba Lavapés, em 1937, a mais antiga em atividade na cidade de São Paulo. “A Eunice, que foi uma visionária”, enfatiza Ziza. A madrinha do samba paulistano foi homenageada em um trabalho com tecido translúcido, de modo que ao mesmo tempo é possível ver a imagem do outro lado da peça da também pioneira do samba Dona Guga, da Escola do Morro da Casa Verde.

Casa Pretahub

A segunda mostra será aberta na próxima terça-feira (9) na Casa Pretahub, no centro da capital paulista. Um dos trabalhos faz uma releitura da estátua da Mãe Preta, que fica no Largo do Paissandú, no centro paulistano. Na peça, Ziza retrata a violência a que eram submetidas as amas de leite. “ Aquela mulher negra é uma pessoa que presta um serviço de amamentação, ela tinha que relegar o próprio filho”, diz a artista, sobre a figura na escultura.

No trabalho, a artista também usa a técnica com tecido semitransparente. “Na frente, aparece uma mãe com seu filho em um ato de carinho, com muita conexão e, atrás, a mãe preta com o filho que não era dela”, descreve a artista.

As exposições ficarão abertas até o dia 30 de novembro. Na Pretahub, a visitação será de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h. Na Choque Cultural, de terça-feira a sábado, de meio-dia à 19h.

(Com Agência Brasil)

Fique por dentro de todas as novidades da EQL

Assine a EQL News e tenha acesso à newsletter da mulher independente emocional e financeiramente

Baixe gratuitamente a Planilha de Gastos Conscientes

Participe da live Meu Primeiro Investimento

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem:

Assine nossa newsletter