Por que separar as contas pessoais das contas da empresa?

Muitos problemas podem surgir quando contas pessoais e empresariais se misturam, mas é possível vencer essas situações seguindo poucos passos.
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email
gpointstudio/Envatoelements
Juntar os dois tipos de contas pode trazer problemas tanto nas suas finanças pessoais, como nas contas da empresa

Administrar e mexer com dinheiro e finanças não é uma tarefa fácil para muita gente, isso é fato, infelizmente. Mas, a situação pode ficar ainda pior quando, além de precisar administrar suas próprias contas pessoais, também deve cuidar das contas da empresa. E para dificultar ainda mais, algumas pessoas recebem os pagamentos da empresa nas contas pessoais. Sim, aqui cabe um emoji de susto, pois isso é uma realidade que assusta, mesmo!

OLHA SÓ: Itaú capta US$ 400 milhões para crédito a pequenas empresas controladas ou lideradas por mulheres

O que muitas pessoas não sabem ou ainda não tiveram a chance de perceber, é que esse processo, ao invés de facilitar,  pode dificultar muito o controle financeiro dos seus negócios.

Mas quais são os problemas em juntar contas pessoais e empresariais?

Acredite, juntar os dois tipos de contas pode trazer problemas tanto nas suas finanças pessoais, como nas contas da empresa. Não há olho ou cabeça que consiga fazer tantos cálculos com tantos números diferentes, de datas e pessoas diferentes por muito tempo. Das duas, uma: ou você acaba desenvolvendo um problema de saúde por conta da pressão e nervosismo, ou acaba cansando ao ponto de desistir de tentar organizar tudo e as finanças se embolam umas nas outras.

Já ouviu falar que um problema surgido a partir de outro problema pode acumular de tal forma que, no fim, tudo parece uma grande bola de neve? Com as finanças, a situação é exatamente essa.

Para entender as consequências da “mistura”  na gestão das contas pessoal e empresarial e o porquê disso ter grandes (e bote grandes nisso) chances de dar errado, explicamos em três tópicos e três medidas que você pode adotar para esta separação de contas:

  • Perda de controle financeiro de sua empresa
  • Problemas com a Receita Federal
  • Realização de sonhos
  • Abra contas separadas
  • Mude a titularidade das contas da empresa
  • Determine reservas mensais

1. Perda do controle financeiro da sua empresa

Um dos primeiros problemas a surgir é a confusão em saber qual dinheiro é realmente seu, que você pode gastar, usar para pagar as contas pessoais, e qual dinheiro é da empresa, destinado aos custos e gastos de compra ou produção de mercadorias, etc.

LEIA AQUI: A hora de virar chefe: como fazer um plano de negócios

Como exemplo, você tira um dia de beleza para si própria, com direito a corte, hidratação e escova no cabelo, além de manicure e pedicure. Não há mal nenhum nisso, afinal, o trabalho também deve ser desfrutado. Mas, suponhamos que você pague essa conta com o dinheiro que recebeu dos seus clientes, que era destinado à compra de materiais para o seu negócio. Percebeu a bola de neve que isso pode virar?

No final do mês, pode faltar dinheiro, e você perderá o controle do que sua empresa realmente tem gerado e gastado, podendo causar uma série de transtornos e tomadas de decisões erradas por não ver quanto dinheiro está entrando e saindo. Você, por exemplo, acabará cortando gastos da sua empresa que poderiam ajudar a fazer seu negócio decolar.

2. Problemas com a Receita Federal

Se tem uma coisa que todo mundo quer evitar ao máximo é problema e problemas que fazem você perder dinheiro, então, nem se fale. Mas, acredite, juntar as contas pode dar o famoso “B.O.” com a Receita Federal. É problema mesmo.

Gastos pessoais nas contas da empresa, quando não são registrados, não participarão dos rendimentos da empreendedora. Isso pode acender uma luz de alerta na Receita Federal. E é aí que você corre o risco de cair na malha fina (quando a declaração de Imposto de Renda é segurada e analisada pela Receita Federal, e, ao encontrar divergências, ocorre a tributação sobre o valor). A multa e juros não são nada amigáveis.

3. Realização de sonhos

Sonhar é bom. Realizar é melhor, claro. Um dos caminhos que levam a estas realizações é o cuidado com suas contas. Quanto menos você organiza sua vida financeira, mais distante você fica de chegar nas suas metas, concretizar seus desejos.

SAIBA MAIS: Quer começar a empreender? Siga nosso passo a passo

E aí esse texto entra como uma verdadeira intervenção. Você precisa saber para onde seu dinheiro está indo, de que forma está sendo utilizado, o que você pode fazer para diminuir gastos desnecessários e investir nas áreas que precisa para fazer seu negócio crescer, quanto de lucro está tendo mensal e anualmente (em média). Quando analisar tudo isso e souber como e onde realmente colocar seu dinheiro para garantir um lucro cada vez maior, seus sonhos estarão passo a passo mais perto de se realizarem.

“Tá bom, entendi que é um problema e quero mudar a forma de fazer as coisas”

Então vamos ao que realmente importa. Como separar minhas contas pessoais das contas do meu negócio? Dá uma olhada nessa lista para já ter uma noção do que pode ser feito.

1. Abra contas separadas

Esse é o primeiro passo e o mais importante: ter contas diferentes para coisas diferentes. Podem ser contas no mesmo banco, afinal, hoje em dia é bem comum termos nossos bancos “queridinhos”, desde que as contas não sejam as mesmas.

“Ah, mas isso significa mais taxas?”. Não necessariamente. É sempre bom lembrar que hoje em dia existem vários bancos que não cobram nenhum tipo de taxa, ou as cobram apenas para algum tipo de serviço, como saque, por exemplo (boas opções podem ser os bancos digitais, como Next, NuBank, C6 Bank e Inter, sendo que esses dois últimos contam com a possibilidade de contas para MEIs – microempreendedor individual – e o Banco Inter também disponibiliza conta digital para pessoa jurídica).

Com contas separadas, o que for o seu salário remunerado pelo seu trabalho na empresa deve ser transferido para sua conta pessoal. O dinheiro é seu e  você pode usar da maneira que achar necessária.

2. Mude a titularidade das contas da empresa

Algo não muito raro de ocorrer é a dona pagar as contas ou gastar com a empresa usando sua conta pessoal e, por isso, pensar que pode gastar com coisas pessoais e pagar com a conta da empresa. Isso é um erro e tanto.

FIQUE POR DENTRO: 7 vantagens de receber pagamentos pelo PIX

Então, para não haver muita confusão, a melhor opção é, dentro da sua conta empresarial (aquela que comentamos no tópico de cima), pedir um cartão já no nome da empresa, além de mudar tudo que leva seu nome e que tenha relação com a empresa para o nome da própria empresa, como contas de telefone, internet, luz e água (caso utilize um espaço específico para seus negócios). Isso te ajuda a separar mais ainda o dinheiro que já vai estar dividido através de contas bancárias separadas, além de facilitar sua visualização dos gastos fixos que você possui do seu negócio.

3. Determine reservas mensais

Esse passo é mais importante do que imaginamos. Muitos investidores e financistas trabalham com uma estratégia chamada “reserva de emergência”, e costumam utilizar um valor base de 6 meses de recursos para compor esse fundo. 

Mas o que isso quer dizer? Quer dizer que, baseado nos seus gastos mensais fixos, você deve ter dinheiro suficiente guardado para suprir 6 meses desses gastos, no caso de perder qualquer fonte de renda. Mas, como quase tudo na vida, esses 6 meses podem ser alterados pelos fatores que fazem parte da vida de cada um, como por exemplo gastos com dependentes (filhos), o fato de você ter seu próprio negócio e esse ser ou não sua única fonte de renda.Você deve analisar cada aspecto da sua vida e guardar mensalmente um valor que acredite que possa te socorrer em um eventual problema ou crise.

Lembrando que a reserva de emergência serve para contas pessoais e empresariais. O que a empresa receber, deve ser mantido na conta da empresa, e com uma análise de lucro, vendas e despesas mensais, calcular quanto deve ser guardado mensalmente para conseguir ter, no mínimo, 6 meses desses gastos já guardados. Nas contas pessoais, a mesma coisa: analisar suas despesas mensais (aluguel, educação de filhos, etc), e guardar dinheiro mensalmente até atingir uma reserva de 6 meses (mais, se assim desejar). Essa reserva de emergência, tanto na conta pessoal como na empresarial, te ajudará a avaliar melhor os riscos que pode correr, o que esperar para comprar, onde e quando investir em melhorias, entre outras coisas.

Existe uma frase bem comum que diz “para todo problema há uma solução”. Começar um negócio do zero não é algo tão simples e cada mulher pode enfrentar inúmeros problemas. Mas, financeiramente falando, uma boa forma de eliminar um grande problema é garantindo que suas contas pessoais não se misturem com suas contas empresariais. Uma bola de neve pode simplesmente encontrar um grande tronco de árvore, bater e se desmanchar completamente. Seja você o grande tronco de árvore que vai impedir que um problema da sua empresa continue crescendo, seja você o tronco de árvore que vai acabar com o problema!

Siga Elas Que Lucrem nas redes sociais:

Siga Elas Que Lucrem: